Operação contra lavagem de dinheiro do narcotráfico é deflagrada pela Polícia Civil do RJ

Operação contra lavagem de dinheiro do narcotráfico é deflagrada pela Polícia Civil do RJ

Além do Rio de Janeiro, ação ocorreu em São Paulo, Paraná, Santa Catarina, Goiás, Minas Gerais, Amapá, Pernambuco e Rio Grande do Norte

Correio do Povo

Esquema criminoso movimentou R$ 3 bilhões entre 2019 e 2021

publicidade

Policiais civis de nove Estados e do Distrito Federal cumpriram na manhã desta quarta-feira seis mandados judiciais de prisão temporária e outros 40 mandados de busca e apreensão contra suspeitos de lavagem de dinheiro proveniente do tráfico de drogas. O esquema criminoso movimentou R$ 3 bilhões entre 2019 e 2021.

A operação Mercador de Ilusões foi coordenada pelo Departamento-Geral de Combate à Corrupção, ao Crime Organizado e à Lavagem de Dinheiro (DGCOR-LD) da Polícia Civil do Rio de Janeiro e conta com o apoio do Ministério Público do RJ. Os mandados foram expedidos pela 1ª Vara Especializada do Crime Organizado do Tribunal de Justiça do Rio, que também determinou o bloqueio judicial de R$ 681 milhões nas contas bancárias e o sequestro de bens dos suspeitos. 

Os agentes também apreenderam veículos, dinheiro, joias, documentos e escrituras de imóveis. Além do Rio e Distrito Federal, a ação ocorreu em São Paulo, Paraná, Santa Catarina, Goiás, Minas Gerais, Amapá, Pernambuco e Rio Grande do Norte.

As investigações constataram a existência de uma estrutura criminosa desenvolvida para lavar dinheiro obtido com a venda de drogas ilícitas por uma das principais facções criminosas do Rio. Segundo a Polícia Civil, o dinheiro foi depositado em contas bancárias de empresas de “laranjas”, atuantes em atividades de importação e exportação e de transporte rodoviário de cargas.

Conforme o trabalho investigativo, algumas das empresas eram empreendimentos de fachada, criados apenas para ocultar o patrimônio dos envolvidos no esquema. Os recursos ilícitos também eram reinvestidos na compra de mais drogas e de armas em regiões de fronteira.


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895