Passageiros dizem que sequestrador de ônibus queria "entrar para a História"
capa

Passageiros dizem que sequestrador de ônibus queria "entrar para a História"

Reféns contaram que William Augusto do Nascimento afirmou que "não queria machucar ninguém nem roubar nada"

Por
AE

Jovem foi morto após descer do coletivo

publicidade

Os passageiros do ônibus sequestrados na manhã desta terça-feira na Ponte Rio-Niterói contaram que o sequestrador William Augusto do Nascimento, de 20 anos, disse que não queria machucar ninguém nem roubar nada. Segundo os reféns, o homem falava apenas que queria "entrar para a História". A ação toda, no entanto, parecia planejada, segundo as testemunhas. O sequestrador havia levado potinhos de garrafa PET para colocar gasolina, barbante para amarrar os passageiros, coquetel molotov, além de uma faca, uma arma falsa e taser.

"Ele só falava que queria entrar para a História, que a gente ia entrar para a História e que teria muita historia pra contar", disse o professor de Geografia Hans Miller, de 34 anos, que estava no ônibus. Segundo Miller, embora ele tenha pendurado os potes com gasolina por todo o ônibus, em nenhum momento ele ameaçou botar fogo no veículo. "Disse que não queria tocar fogo no ônibus e que só queria dinheiro do Estado, que quem ia pagar a conta era o Estado", disse.

O professor chegou a fazer cartazes com informações sobre o sequestrador para passar informações à polícia. Ele colocava os avisos entre o vidro e as cortinas, que tinham sido fechadas por determinação do criminoso. Daniele Farias, de 38 anos, mulher de um outro refém, com quem manteve contato por mensagem durante todo o sequestro, contou uma história parecida. "Meu marido falou comigo o tempo todo, dizendo que estava tudo bem, que ele não estava ameaçando ninguém, que estava calmo e que o que ele queria era parar a cidade, botar o terror", declarou Daniele.