Polícia acredita que homicídios em Bento Gonçalves, na Serra, estejam ligados ao tráfico

Polícia acredita que homicídios em Bento Gonçalves, na Serra, estejam ligados ao tráfico

Dois adolescentes e um adulto foram mortos entre a madrugada de sexta-feira e a noite de domingo

Eduardo Amaral

publicidade

Os três homicídios ocorridos em Bento Gonçalves, na Serra, podem estar relacionados ao tráfico de drogas. Esta é a principal linha de investigação da Polícia Civil (PC) do município, que apura os crimes ocorridos nas madrugadas de sexta, sábado e na noite desse domingo. A última vítima foi Ezequiel Barreto Ribeiro, 25 anos, morto a tiros por volta das 21h na frente de sua casa localizada na rua João Poli, no bairro Zatt. Ele chegou a ser encaminhado ao Hospital Tacchini, mas não resistiu aos diversos ferimento e faleceu pouco depois. 

Antes dele, dois adolescentes foram mortos. Um jovem de 16 anos foi assassinado na madrugada de sábado no mesmo bairro onde Ribeiro foi atacado. Na sexta-feira, um jovem, de 17 anos, foi assassinado próximo a uma praça no bairro São Francisco. Ele foi espancado antes de receber um disparo fatal. De acordo com o delegado Álvaro Becker, que coordena as investigações, os crimes não estão diretamente ligados, mas ele acredita que todos ocorreram em razão de disputas por pontos de venda de drogas. “Acho que está tudo envolvido com o tráfico porque existe um confronto entre facções”, explicou. 

As câmeras de vigilância dos locais do crime serão utilizadas para identificar os assassinos. O delegado diz que já tem as imagens do primeiro crime e espera que os autores se apresentem à Polícia. “Nós vamos descobrir quem foi, mas ainda espero que se apresentem voluntariamente”, colocou. 

De acordo com o delegado Becker, o local onde o adolescente de 17 anos foi morto é um ponto com fluxo de traficantes, por isso a principal hipótese é uma relação com a venda de entorpecentes. As imagens mostram que a vítima esteve envolvida em uma confusão antes de ser morto. Já nos dois casos no bairro Zatt ainda não há pistas sobre quem são os responsáveis pelos crimes.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895