Polícia amplia buscas e pede informações para população de Criciúma sobre assalto a banco

Polícia amplia buscas e pede informações para população de Criciúma sobre assalto a banco

Polícia Civil estimou ao menos 30 pessoas envolvidas no crime com explosivos ocorrido na noite desta segunda-feira

Correio do Povo

BOPE da Brigada Milita realiza buscas na região nesta terça-feira

publicidade

As forças de Segurança Pública de Santa Catarina pedem a ajuda da população com informações para desvendar, o mais rápido possível, o crime que chocou a cidade de Criciúma na noite desta segunda-feira e prender os criminosos responsáveis pelo assalto a banco, que a investigação estimou em pelo menos 30 pessoas envolvidas. Para isso, o Instituto-Geral de Perícias (IGP-SC) disponibilizou o telefone 190.

“Nosso trabalho é coletar essas evidências. Qualquer informação que a população tenha sobre esse crime será util. Temos equipamento e material para combater esse tipo de crime e iremos trabalhar dia e noite para desvendar esse caso”, destacou o perito-geral Giovani Eduardo Adriano ao afirmar que um grupo experiente de peritos já está na cidade trabalhando no caso.

Veja Também

O governo do Estado catarinense, com o apoio de outras forças, afirmou que "não está medindo esforços" para solucionar o crime que contou com grande organização, armamento pesado, munições de diferentes calibres, explosivos e coletes balísticos. "O governo segue empenhado na busca dos criminosos e para que ações como essas não se repitam em Santa Catarina", afirmou o governador Carlos Moisés em coletiva à imprensa nesta terça-feira.

Até o momento, foram presas quatro pessoas que fizeram o recolhimento de parte das cédulas de papel que estavam jogadas no chão em razão da explosão. Com eles, foram localizados cerca R$ 810 mil. Conforme a Polícia Militar, 10 veículos utilizados na ação foram encontrados na localidade de Picadão, no município de Nova Veneza, nesta manhã. Também foi apreendido material explosivo estimado em 230 quilos, do tipo Melaton. Durante a operação, na madrugada, um policial foi baleado.

Ousadia e violência

Uma operação marcada pela "ousadia e violência", definiu o presidente do Colegiado Superior de Segurança Pública e Perícia Oficial e Delegado Geral da Polícia Civil de Santa Catarina, Paulo Koerich. O roubo ao banco com uso de explosivos na noite de ontem também foi considerado pelo delegado da Diretoria Estadual de Investigações Criminais (DEIC), Anselmo Cruz, o "roubo de maior proporção na história do Estado". 

“Há uma mobilização policial muito forte nas buscas e, em paralelo a isso, já começou o trabalho de investigação. Estamos falando de pelo menos 30 criminosos, 10 veículos e armamento muito pesado”, apontou Cruz. Além dos policiais catarinenses, há contatos e mobilização com as polícias de outros Estados, como do Rio Grande do Sul e Paraná, e com a Secretaria Nacional de Segurança, para a união e integração de esforços na ação policial, no Sul do Estado.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895