Polícia Civil começa a elucidar o assassinato do Tenente Vermelho em Porto Alegre

Polícia Civil começa a elucidar o assassinato do Tenente Vermelho em Porto Alegre

Delegada Isadora Galian, da 1ª DPHPP, apura motivação e se existe mandante no crime cometido por três indivíduos

Correio do Povo

Imagens de câmera de monitoramento mostram os suspeitos

publicidade

A Polícia Civil começa a esclarecer o mistério na morte do capitão reformado José Wilson da Silva, 89 anos, o Tenente Vermelho, que atuou no movimento da Legalidade e na resistência ao Golpe de 64. Ele foi assassinado na madrugada do dia 10 de dezembro do ano passado na residência, situada na rua Paissandu, no bairro Partenon, em Porto Alegre.

À reportagem do Correio do Povo na manhã desta quinta-feira, a titular da 1ª Delegacia de Polícia de Homicídios e Proteção à Pessoa (1ª DPHPP), delegada Isadora Galian, revelou que está sendo apurada a motivação do crime e se existe algum mandante.

Imagens de uma câmera de monitoramento foram divulgadas pela delegada Isadora Galian. Nelas aparecem três indivíduos caminhando pela rua e chegando na casa da vítima e depois saindo e retornando pelo mesmo caminho.

“Um suspeito já está identificado...Falta identificar dois outros suspeitos que aparecem no vídeo”, adiantou . “Eles demoraram de quatro a cinco minutos para ingressar na residência, vencer três portões, executar a vítima e sair...O vídeo mostra que a entrada foi muito rápida”, avaliou, descartando o uso de chaves michas. “A gente acredita que de alguma forma eles obtiveram a chave da residência. Estamos apurando”, frisou.

A vítima, que completaria 90 anos três dias depois, estava em óbito no chão, com marcas aparentes de tiros. Um facão estava ao lado do corpo. O local foi para o trabalho do Instituto-Geral de Perícias. "Precisamos analisar o laudo de necropsia, com relatório de local de crime e depoimento das testemunhas para saber se há verossimilhanca nas alegações", afirmou a titular da 1ª DPHPP.

Em depoimento na época, a companheira e ex-cuidadora da vítima informou que escutaram um barulho no pátio e ele foi averiguar com o facão o que se tratava, sendo surpreendido e alvejado na garagem do pátio da casa. Ela não viu quantos indivíduos eram e desconhece a causa para que fosse assassinado.  

José Wilson da Silva, 89 anos, o Tenente Vermelho, foi um dos homens mais próximos de Leonel Brizola. Eleito vereador pelo PTB em 1963 na Capital, José Wilson da Silva perdeu os direitos políticos com o golpe de 1964 e foi para o exílio no Uruguai. Ele foi um dos fundadores da Associação de Defesa e Pró-Anistia dos Atingidos pelos Atos Institucionais. Em 1987 lançou o livro “O Tenente Vermelho”, além de ter publicado outras obras.


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895