Polícia Civil desarticula esquema de furto de combustível em Esteio

Polícia Civil desarticula esquema de furto de combustível em Esteio

Parte da mercadoria desviada era acondicionada em galões e depois distribuída clandestinamente

Jessica Hübler

Parte do combustível desviado era acondicionada em galões e depois distribuída clandestinamente

publicidade

Policiais Civis da Delegacia de Polícia de Esteio, coordenados pela delegada Luciane Bertoletti, após investigações, em combate aos crimes patrimoniais, desarticularam esquema de desvio de combustíveis no município da Região Metropolitana de Porto Alegre. Os policiais prenderam em flagrante, dois homens por furto de combustível na cidade de Esteio. Após um mês de investigações, os policiais abordaram os suspeitos na saída da residência de um deles onde, no pátio, foram encontrados galões contendo gasolina e diesel.

O esquema desarticulado consistia no abastecimento do caminhão tanque na distribuidora e posterior desvio. Os organizadores do esquema criminoso de distribuição de combustíveis possuem um veículo caminhão tanque. Eles abasteciam em uma empresa de combustíveis da região e levavam a mercadoria para postos de combustíveis. O golpe se dava antes de chegar aos postos de destino.

Os golpistas faziam uma parada e desviavam parte da mercadoria que era acondicionada em galões e depois distribuída clandestinamente. Conforme a Polícia Civil, era uma situação permanente. Um desvio de proporção reduzida, mas com alta frequência, que ao final de um mês por exemplo totalizaria ao menos em estimativa entre 5 e 7 mil litros de combustível.

Segundo as investigações na distribuição clandestina os suspeitos revendiam para uma rede de contatos que compravam o produto. Não está descartado que outras empresas recebessem o combustível. Estima-se para fins de ilustrar o esquema que o prejuízo beira a R$ 1 milhão no período de um ano, havendo a frequência diária.

As investigações continuam e existe possibilidade da participação de outras pessoas. Além disso os prováveis receptadores também serão investigados. A delegada Luciane Bertoletti afirmou que “estima-se que prejuízo para as vítimas possa ser muito maior, pois o golpe vinha sendo aplicado há pelo menos 6 meses”.

O diretor da 2ª Delegacia de Polícia Regional Metropolitana - Regional de Canoas, delegado Mario Souza, reiterou que "foi uma ação cirúrgica e rápida”. E que “foi um esquema complexo desarticulado pela Polícia Civil de Esteio que causava prejuízo para a companhia fornecedora e os postos de combustíveis da região”.

Os presos, após os trâmites de praxe, foram encaminhados ao sistema prisional.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895