Polícia Civil do Paraná prende mais um envolvido no ataque ao Banco do Brasil de Criciúma, em SC

Polícia Civil do Paraná prende mais um envolvido no ataque ao Banco do Brasil de Criciúma, em SC

Foragido, que integra a facção Primeiro Comando da Capital (PCC), foi capturado em Cotia, em São Paulo

Correio do Povo

Farta quantidade de armas, munições, explosivos e roupas táticas foi apreendida na investigação

publicidade

A Polícia Civil do Paraná anunciou a captura de um suspeito de participar do ataque milionário ao Banco do Brasil de Criciúma, em Santa Catarina, ocorrido no final de novembro de 2020. Trata-se de um foragido, de 36 anos, ligado à facção criminosa paulista Primeiro Comando da Capital (PCC). Ele foi preso na última quarta-feira em Cotia, no Estado de São Paulo.

O paradeiro do bandido foi descoberto após investigações de “alta complexidade” que começaram após uma operação ocorrida também em novembro do ano passado, em Campina Grande do Sul, no Paraná. Na ocasião, os policiais civis paranaenses apreenderam farta quantidade de armas, munições, explosivos e roupas táticas usadas em roubos, além de efetuarem duas prisões.

O indivíduo capturado é suspeito de participar de outras ações audaciosas do PCC, como o roubo de cerca de U$ 40 milhões na empresa Prosegur, no Paraguai, em abril de 2017. Além disso, ele participou do assalto que rendeu R$ 9,8 milhões no Aeroporto Quero-Quero, em Blumenau, em março de 2019.

Ainda em 2020, o criminoso participou em maio de um roubo ao Banco do Brasil em Ourinhos, em São Paulo, onde seis pessoas foram feitas reféns em uma ação que durou cerca de três horas. Já no ataque ao Banco do Brasil de Criciúma, o assalto teria rendido em torno de R$ 125 milhões ao contrário dos R$ 80 milhões estimados inicialmente  pelas autoridades catarinenses.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895