Polícia Civil indicia cinco servidoras de posto de saúde por desvio de vacina em Porto Alegre

Polícia Civil indicia cinco servidoras de posto de saúde por desvio de vacina em Porto Alegre

Inquérito foi remetida ao Poder Judiciário pela Coordenadoria de Recursos Especial (CORE)

Correio do Povo

No dia 17 deste mês foram cumpridas 21 ordens judiciais

publicidade

A Polícia Civil indiciou cinco pessoas na investigação sobre desvios de doses na vacinação contra a Covid-19 ocorridos em uma unidade básica de saúde no bairro Guarujá, na Zona Sul de Porto Alegre. A operação Xepa 1ª Dose, que apurou o “fura-fila”, foi realizada pela Coordenadoria de Recursos Especial ( CORE), sendo conduzida pelo delegado Gabriel Bicca. 

O trabalho investigativo apurou que servidoras do posto de saúde desviaram doses de imunizantes para vacinar pessoas do seu círculo social e fora do calendário de vacinação. Conforme os policiais civis, elas ofertaram também as vacinas para quem aleatoriamente procurava o local, justificando que tratavam-se de sobras, conhecidas como xepas.

Além de desviar as doses e as aplicar em desconformidade com os critérios sanitários como idade ou presença de comorbidade, as servidoras ainda pretendiam cadastrar falsamente as vacinas como se fossem xepas, visando mascarar o desvio e escapar da responsabilização, omitindo a inclusão no sistema nacional de imunização dos vacinados beneficiados no esquema.

No dia 19 deste mês foram cumpridos 21 mandados judiciais de busca e apreensão, além de serem ouvidas mais de 30 pessoas ao longo do trabalho investigativo, bem como medidas judiciais pertinentes ao trabalho policial.

De acordo com o delegado Gabriel Bicca, as profissionais da saúde foram indiciadas pelos crimes de peculato (desvio de bem público em favor próprio ou alheio), infração de medida sanitária (aplicação das doses em desconformidade com o calendário vacinal e os critérios vigentes) e falsidade ideológica (omissão do lançamento das doses aplicadas no sistema nacional de imunização).

O inquérito já foi remetido ao Poder Judiciário. Uma cópia do procedimento policial será remetida igualmente ao Ministério Público do Rio Grande do Sul para apuração sob o aspecto da probidade administrativa do fato.

A CORE assegurou que segue apurando denúncias de irregularidades na aplicação de vacinas em ação conjunta com o Ministério Público do Rio Grande do Sul e a Secretaria Municipal da Saúde de Porto Alegre. Segundo o delegado Gabriel Bicca, outras denúncias de doses aplicadas irregularmente já apareceram e estão sendo agora verificadas.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895