Polícia Civil indicia homem que agrediu adolescente por assobio no DF

Polícia Civil indicia homem que agrediu adolescente por assobio no DF

Suspeito deve responder por lesão corporal, injúria e ameaça; advogadas da vítima falam em tentativa de homicídio qualificado

R7

publicidade

A Polícia Civil concluiu que o homem que espancou um adolescente em uma quadra de esportes da capital deve responder pelos crimes de lesão corporal leve, injúria e ameaça. O inquérito foi encaminhado nesta quinta-feira ao Ministério Público do Distrito Federal e Territórios. As informações são do delegado-chefe da 11ª Delegacia de Polícia Civil (Núcleo Bandeirante), Rafael Bernardino.

Segundo as advogadas da vítima, a família do adolescente está "em situação de risco e grave ameaça". As juristas entraram com um pedido de medida protetiva na Justiça para impedir que o suspeito das agressões se aproxime deles, por medo de um novo episódio de violência, já que o homem filmado espancando o menino segue em liberdade.

"É fato indubitável que o quadro fático traz à tona a descrição de que a vítima e seus familiares se encontram em situação de risco e grave ameaça", escreveram as advogadas Andrea Quadros e Débora Enéas. O ataque teria ocorrido depois que o suspeito teria se irritado com os assobios do menino para chamar a mãe.

Ainda segundo o que as advogadas argumentam no pedido à Justiça, o ataque deveria ter sido classificado pela polícia como tentativa de homicídio qualificado por motivo fútil. O crime aconteceu no último sábado, e o suspeito prestou depoimento na última quarta-feira.

Para o delegado, no entanto, caberá ao Ministério Público, se considerar conveniente, mudar a tipificação do crime. O delegado não entrou em detalhes sobre o depoimento do agressor, mas disse que ele confirmou o fato e teria dito que já tinha outros conflitos com a vítima.

O ataque ao adolescente aconteceu em uma quadra de esportes na área rural de Divineia, no Núcleo Bandeirante. O adolescente se divertia com amigos quando o suspeito entrou no local, atingiu o jovem com um soco no rosto e, depois que ele caiu no chão, passou a chutá-lo.

O motivo é que a vítima assobiava em frente de casa, para que a mãe abrisse o portão, já que ele não tinha a chave, e isso irritava o agressor. De acordo com o homem, essa não era a primeira vez que isso acontecia e nem foi o único motivo do ataque. Ele disse ainda que sofre de ansiedade e toma medicamentos controlados. A família do adolescente está fazendo uma vaquinha virtual para arrecadar dinheiro e se mudar da região. A meta é arrecadar R$ 20 mil. O jovem vive com a mãe, uma prima de 5 anos e uma avó de 90 anos, que está cega.

Veja Também


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895