Polícia Civil investiga dois novos casos de homicídios ocorridos em Gravataí

Polícia Civil investiga dois novos casos de homicídios ocorridos em Gravataí

Em um dos casos, a vítima foi baleada com dois tiros na cabeça dentro de um veículo alugado para corrida de aplicativo

Correio do Povo

Corpo do indivíduo foi encontrado no banco do motorista de um Volkswagen Novo Voyage

publicidade

Mais dois assassinatos são investigados pela Delegacia de Polícia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DPHPP) de Gravataí. Na noite de quarta-feira, o corpo de um homem, de 27 anos, foi encontrado dentro de um Volkswagen Novo Voyage estacionado na rua Barbosa Lessa, no bairro Bonsucesso. A vítima, que estava no banco do motorista, foi executada com dois tiros de pistola calibre 9 milímetros na cabeça. Policiais militares do 17º BPM isolaram o local para o trabalho do Instituto-Geral de Perícias. Já no final da madrugada desta quinta-feira, um homem, de 28 anos, foi morto a tiros dentro de casa no loteamento Breno Garcia, situado na parada 103, no bairro Passo da Caveira, perto da ERS 030.

O titular da DPHPP de Gravataí, delegado Eduardo Limberger do Amaral, afirmou na manhã desta quinta-feira que, no caso do bairro Bonsucesso, a vítima tinha antecedentes criminais por porte de arma de fogo e tentativa de homicídio. “Em princípio, ele fazia transporte de passageiros por aplicativo. Estava na casa de sua genitora quando recebeu uma ligação e deixou o local”, relatou, observando que o veículo estava alugado para fazer as corridas.

“O celular da vítima não foi encontrado e a suspeita é de que o indivíduo que acionou a suposta corrida por fora do aplicativo seja o autor do homicídio. A linha inicial é de homicídio e o celular provavelmente foi levado para tentar suprimir evidências”, revelou. “Há suspeitas de que a vítima estivesse envolvida com o tráfico de drogas”, adiantou.

Já sobre o crime no loteamento Breno Garcia, o titular da DPHPP de Gravataí afirmou que “quatro homens armados e vestidos com roupas da Polícia Civil invadiram a casa da vítima”. Conforme o delegado Eduardo Limberger do Amaral, os assassinos “renderam toda a família, conduziram a vítima até o banheiro e a executaram”. O indivíduo morto, constatou, tinha antecedentes criminais por tráfico de drogas, receptação e porte de arma de fogo.


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895