Polícia Civil investiga homicídios ocorridos no final de semana
capa

Polícia Civil investiga homicídios ocorridos no final de semana

Crimes em Gravataí, Alvorada e Porto Alegre permanecem com várias hipóteses em aberto

Por
Correio do Povo

publicidade

A Polícia Civil começa a semana com várias execuções a serem investigadas. Em Gravataí, o titular da Delegacia de Polícia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DPHPP), delegado Eduardo Limberger do Amaral, apura a execução de um motociclista na noite de domingo passado. A vítima, que conduzia uma moto Honda, foi perseguida até ser baleada e tombar na rua Estância Antiga, no bairro Cadiz. Os atiradores estariam em um Honda Civic, de cor prata, que fugiu do local antes da chegada do 17ºBPM. “É cedo para avaliar, mas faz alguns dias que não têm ocorrências de homicídio. A gente imagina então que não tenha alguma vinculação com um caso mais antigo”, avaliou. Mesmo assim, ele não descartava a possibilidade de que o crime tenha envolvimento com o tráfico de drogas.

Em Alvorada, o responsável pela DPHPP, delegado Edimar Machado, investiga o caso dos dois corpos carbonizados encontrados na manhã de domingo dentro do porta-malas de um Fiat Palio, de cor branca, na estrada Diogo Inácio Barcelos (antiga Estrada da Palha). Devido ao estado dos cadáveres, explicou, a identificação das vítimas será feita através do DNA pelo Instituto-Geral de Perícias. Lembrando que a região tem histórico de desova de corpos, ele afirmou que, no momento, não existe uma ligação com a descoberta de um corpo, com marcas de tiros, caído na mesma estrada na manhã do último dia 4.

Já em Porto Alegre, o titular da 6ª DPHPP, delegado Newton Martins Filho, está encarregado de esclarecer a morte de um jovem de 19 anos, interno da Fundação de Atendimento Socioeducativo (Fase), ocorrida na noite de domingo na avenida Jacuí, no bairro Cristal. Depois de um final de semana liberado para ficar com a família, a vítima estava voltando para a unidade e foi executada a tiros vindos dos ocupantes de um veículo não identificado.

Conforme a Brigada Militar, o rapaz tinha antecedentes criminais por porte ilegal de arma, roubo, tráfico de drogas e homicídio. “A Fase reúne todo o tipo de gente, de facção, de todo lugar da cidade. Por enquanto é difícil saber qual o motivo...”, afirmou. “Acredito que não seja alguma coisa de agora, mas do passado da vítima. Pode ser algo dentro da Fase ou de fora….Estamos iniciando a investigação”, complementou.