Polícia diz que Monique mentiu sobre ida a cabelereiro após enterro de Henry

Polícia diz que Monique mentiu sobre ida a cabelereiro após enterro de Henry

Mãe da criança declarou ter feito reparo no mega hair, mas salão de beleza negou oferecer serviço

R7

Monique está presa desde o dia 8 de abril por atrapalhar as investigações e coagir testemunhas

publicidade

A polícia declarou que a mãe de Henry Borel, Monique Medeiros, mentiu ao justificar a ida ao salão de beleza no dia seguinte ao enterro do filho de 4 anos. De acordo com a professora, ela teria apenas feito um reparo no seu alongamento capilar, o "mega hair", que teria colocado antes da morte da criança, mas o estabelecimento negou fazer esse tipo de procedimento. Mas Monique fez mais serviços do que o cabelo e gastou R$ 240 em tratamentos estéticos na ocasião. 

Em uma conversa com Monique, no último dia 12 de março, o serviço de atendimento do salão de beleza explicitou os procedimentos realizados: "pé: R$ 39; mão: R$ 35; conserto: R$ 27; tratamento: R$ 139".  Porém, essa não foi a única postura de Monique que causou estranheza após a morte de Henry.

A polícia teve acesso a mensagens no celular da professora que mostraram que ela procurou por aulas de inglês e de culinária nos dias seguintes à morte da criança. Ela teria interesse em iniciar ambos cursos. Outra situação foi no primeiro depoimento de Dr. Jairinho e Monique à 16ª DP sobre a morte do menino. A mulher tirou uma selfie na delegacia em que apresenta um pequeno sorriso enquanto posiciona os pés em cima das cadeiras da delegacia.  

Monique está presa desde o dia 8 de abril por atrapalhar as investigações e coagir testemunhas. A mulher está detida no Instituto Penal Ismael Sirieiro, em Niterói. A professora e o vereador Dr. Jairinho (sem partido) são os principais suspeitos pelo assassinato de Henry, de apenas 4 anos.

O laudo do Instituto Médico Legal (IML) apontou que a morte foi causada por hemorragia interna provocada por uma laceração no fígado. O menino teria sofrido 23 lesões na noite de sua morte, na madrugada do dia 8 de março deste ano.  

Veja Também


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895