Polícia encontra corrente e caderno em que menino Miguel tinha de copiar frases autodepreciativas

Polícia encontra corrente e caderno em que menino Miguel tinha de copiar frases autodepreciativas

Dois imóveis, onde vivia a criança com a mãe e a companheira, foram alvo de uma ação em Imbé

Correio do Povo

Corrente seria usada para prender a criança

publicidade

A Polícia Civil apreendeu uma corrente e um caderno durante uma ação na última terça-feira em dois imóveis, onde viveram a mãe e a companheira com o menino Miguel, em Imbé, no Litoral Norte. O Instituto-Geral de Perícias também esteve nos locais para coletar vestígios, sangue e material genético, além de objetos, entre outros, pertinentes à investigação.

Nas anotações no caderno consta um cruel “exercício” com a criança, de sete anos. Ela era obrigada a escrever frases autodepreciativas e de baixa autoestima, copiando as mesmas inscrições deixadas pela mãe ou pela companheira em uma das páginas

“Eu sou um idiota”, “Não mereço a mamãe que tenho”, “Eu sou ladrão”, “Eu sou ruim”, “Eu sou cruel”, “Eu sou malvado”, “Eu não presto”, “Eu não sei valorizar ninguém” e "Eu sou um filho horrível" foram redigidas pela vítima no caderno.

Foto: Polícia Civil / Divulgação / CP 

Os policiais civis acreditam também que a corrente apreendida era utilizada para prender a criança, que vivia praticamente dentro de um armário, sendo agredida fisicamente e psicologicamente.

A mãe, de 26 anos, com prisão preventiva, e a companheira, de 23 anos, com prisão temporária, estão recolhidas desde a terça-feira na Penitenciária Feminina de Guaíba.

Na manhã desta quarta-feira, o Corpo de Bombeiros Militar do Rio Grande do Sul retomou as buscas pelo menino na orla litorânea, entre Imbé e Torres, bem como ampliou o trabalho na terça-feira em terra.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895