Polícia indicia 18 pessoas por quadrilha que operava dentro do Presídio Central
capa

Polícia indicia 18 pessoas por quadrilha que operava dentro do Presídio Central

Um dos traficantes mais procurados do Estado liderava o grupo criminoso

Por
Correio do Povo

Materiais e dinheiro apreendidos com os bandidos

publicidade

A Delegacia de Capturas do Departamento Estadual de Investigações Criminais da Polícia Civil encaminhou para a Justiça, na manhã desta quarta-feira, o inquérito da Operação Conselheiro sobre a organização de narcotráfico que atuava nos bairros Belém Novo e Belém Velho, em Porto Alegre. “São 18 pessoas indiciadas”, contabilizou o delegado Arthur Raldi.

A investigação começou em janeiro deste ano, sendo que as últimas prisões ocorreram no dia 13 desse mês. “O objetivo foi localizar um dos traficantes mais procurados do Estado”, acrescentou, referindo-se à prisão do chefe da quadrilha, que tem extensa ficha de antecedentes criminais. O traficante foi capturado em maio em um sítio na localidade de Águas Claras, na zona rural de Viamão. 

Foragido desde 2012, o traficante tinha sete mandados de prisões dos quais seis por acusação de homicídios e um decorrente de sentença penal condenatória definitiva com pena de 15 anos, 8 meses e 20 dias de reclusão. No sítio foram apreendidos na ocasião duas pistolas calibres 9 milímetros, um revólver calibre 38 com numeração raspada, cinco carregadores sendo dois com prolongadores, 147 cartuchos de munição e contrabando de cigarros contrabandeados. Um irmão do líder e um cúmplice foram detidos juntos. 

A ação da Delegacia de Capturas, há duas semanas, resultou em sete criminosos presos. Outros quatro já haviam sido detidos desde o início da investigação. Houve a apreensão de cerca de R$ 18 mil em dinheiro, duas espingardas calibres 22 e 38, uma pistola calibre 380, maconha, cocaína e crack. Um Citroën C4 Pallas também foi recolhido.

A operação Conselheiro mobilizou cerca de 60 agentes que cumpriram 12 mandados de prisões e outros 11 mandados de busca e apreensão na Capital, Viamão e São Leopoldo. 

O líder encontra-se recolhido na Cadeia de Pública de Porto Alegre (Presídio Central). Ao longo do trabalho investigativo foram identificados sete gerentes que administravam o tráfico de drogas nos bairros Belém Novo e Belém Velho, recebendo ordens do chefe de dentro da cela. “Identificamos toda a organização criminosa e as funções das 18 pessoas” resumiu o delegado Arthur Raldi.