Polícia projeta investigação “longa e meticulosa” sobre assalto a banco em Criciúma

Polícia projeta investigação “longa e meticulosa” sobre assalto a banco em Criciúma

Crime ocorreu na noite desta segunda-feira e aterrorizou a cidade de Santa Catarina

Correio do Povo

IGP-SC realizou perícia no local nesta terça-feira

publicidade

A resolução do crime considerado o assalto de maior proporção na história de Santa Catarina não deverá ser concluída nos próximos dias. A investigação sobre a explosão de um banco iniciou nesta terça-feira e deverá, segundo o delegado da Polícia Civil Paulo Koerich, "ser longa e meticulosa". Em coletiva à imprensa hoje, o que o delegado pôde adiantar é que as forças de segurança do Estado, com a ajuda de informações da população, estão mobilizadas e a perícia está sendo realizada no local e nos dez veículos apreendidos. 

Da mesma forma, a polícia não apontou um prazo para a divulgação do laudo do Instituto-Geral de Perícias (IGP-SC). "Nós não podemos estimar que o trabalho acabe em uma hora ou um dia. Todas as evidências, os indícios, que lá são encontrados são devidamente fotografados e coletados. Todas as provas vão subtanciar o inquérito policial", apontou o delegado civil.

Koerich também falou sobre o conflito armado entre soldados e os criminosos, que resultou em um policial militar baleado e internado em estado grave de saúde. "Os policiais são treinados para protegerem as vidas. Se tivesse havido um confronto no centro da cidade, certamente teríamos várias pessoas lesionadas e até teriam suas vidas perdidas."

Veja Também

Semelhança ao crime de Blumenau

O delegado geral da Polícia Civil de Santa Catarina, Paulo Koerich, disse haver semelhanças entre o crime de assalto a bancos, ocorrido na noite de segunda-feira em Criciúma, e o ataque a carros-forte no aeroporto de Blumenau, ocorrido em março do ano passado. Na época, um grupo de criminosos armados atacou três carros-fortes no aeroporto regional catarinense e abriu fogo contra os veículos, que abasteciam um avião de pequeno porte com malotes de dinheiro. O ataque deixou um vítima fatal e feridos.

"Obviamente que esse crime que aqui aconteceu também teve um tempo de maturação, vamos assim dizer, e com isso lograram na busca por informações. As pessoas que fazem do crime o seu meio de vida, acabam por se misturar com as pessoas locais e com os moradores locais e, desta forma, obter informações da rotina de comércios, das agências bancárias, dos cidadãos de bem", analisou o delegado, comparando com o caso ocorrido em março do ano passado, quando os responsáveis pelo crime ficaram por nove meses na cidade antes da atuação.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895