Policiais civis e bombeiros militares procuram dentista desaparecida em Santa Maria

Policiais civis e bombeiros militares procuram dentista desaparecida em Santa Maria

Barbara Machado Padilha foi vista pela última vez no final da tarde de sábado em Tupanciretã, onde reside

Correio do Povo

Imagens de uma câmera de monitoramento de um posto de combustíveis mostram a vítima sozinha saindo do local

publicidade

As buscas da Polícia Civil e do 4º Batalhão de Bombeiros Militar na Garganta do Diabo, na BR 392, em Santa Maria, foram encerradas na manhã desta segunda-feira sem que fossem encontradas pistas da dentista Barbara Machado Padilha, 32 anos, desaparecida desde o final da tarde de sábado passado. O sumiço dela mobiliza agentes da DP de Tupanciretã, Júlio de Castilhos, Itaara e Santa Maria.

O titular da 3ª Delegacia de Polícia Regional do Interior, delegado Sandro Meinerz, confirmou que a dentista, moradora de Tupanciretã, contratou um motorista de aplicativo e se deslocou da cidade até o trevo do Castelinho, no entrocamento da ERS 509, BR 158 e BR 392, em Santa Maria. No local, ela permaneceu em torno de 30 minutos na loja de conveniência de um posto de combustível e saiu a pé com destino à avenida Osvaldo Cruz. Imagens de uma câmera de monitoramento externa do estabelecimento mostram que a vítima estava sozinha ao deixar o local, após comprar chocolate e água. O telefone celular não emite sinal.

O tio dela, Gustavo Lírio, informou à reportagem do Correio do Povo que a sobrinha estava muita quieta e tinha deixado de frequentar a academia e parado de frequentar um instituto de beleza, mas frisou que ela possuía um excelente relacionamento com o esposo. A vítima já residiu em Santa Maria quando universitária.

O desaparecimento ocorreu após a dentista deixar o escritório de advocacia do esposo na área central de Tupanciretã. Ela não chegou depois na residência do casal. Em torno de duas horas depois, o marido foi para a casa e não a encontrou. A bolsa com documentos não foi levada junto. A porta estava aberta e a chave da mesma caída no solo.

 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895