Policial morto em operação será velado nesta quarta-feira
capa

Policial morto em operação será velado nesta quarta-feira

Chefe da Polícia Civil nega erro na atuação dos policiais

Por
Samantha Klein

Policial será velado em Porto Alegre

publicidade

O velório do corpo do policial civil Edler Gomes dos Santos, 54 anos, morto em operação policial em Montenegro, no Vale do Caí, será realizado na manhã desta quarta-feira. A família escolheu o cemitério Parque Jardim da Paz, em Porto Alegre. Ele foi atingido em ação de combate ao abigeato. 

Em entrevista ao Guaíba News da Rádio Guaíba desta terça, a chefe da Polícia Civil do Rio Grande do Sul Nadine Anflor ressaltou que não houve erro na atuação dos policiais atingidos. Todos os procedimentos foram adotados na operação, de acordo com a delegada. "Os policiais tiveram toda a cautela, utilizaram toda a técnica na abordagem, se identificaram como policiais, visualizaram que eles estava armado dentro da casa, foram calmos e mesmo assim, o homem recebeu os colegas a tiros". E complementa "temos informação de ele recarregou a arma e morreu abraçado nela".

A Polícia Civil chegou ao local durante uma investigação que durou dois meses. A localização foi precisada através do uso de drone. "Nos chamou a atenção que o casebre era muito pobre e tinha duas geladeiras onde eram armazenadas as carnes furtadas", complementou a delegada. A equipe do Departamento Estadual de Investigações do Narcotráfico (Denarc) apoiou a operação, mas policiais de Montenegro, que conhecem a região, apoiaram o planejamento da operação, segundo a delegada.

O criminoso morto é um idoso, com antecedentes por outros crimes ambientais, que seria um abigeatário conhecido na região. Além das duas mortes, o policial Alexandre Machado, que estava ao lado de Edler dos Santos, foi atingido por estilhaços. Ele está em observação em um hospital da Região Metropolitana.

O governador Eduardo Leite deverá comparecer ao velório do policial. Ele adiou embarque para viagem aos Estados Unidos. A morte de Santos foi a quarta de um policial em serviço em três semanas no Rio Grande do Sul. O governador chegou a comparecer no velório de dois deles.