Quadrilha que roubava SUVs para clonagem é alvo de operação da Polícia Civil em Porto Alegre

Quadrilha que roubava SUVs para clonagem é alvo de operação da Polícia Civil em Porto Alegre

Criminosos ostentavam armas dentro dos veículos levados das vítimas ou faziam fotos até de armamento pesado

Correio do Povo

Houve cumprimento de sete ordens judiciais

publicidade

Uma quadrilha especializada no roubo de veículos novos, sobretudo utilitários esportivos, conhecidos como SUV, foi alvo de uma operação do Departamento Estadual de Investigações Criminais da Polícia Civil ao amanhecer desta quinta-feira em Porto Alegre. Como característica, os criminosos faziam vídeos de celular onde ostentavam armas dentro dos carros levados das vítimas, além de produzirem fotos até com armamento pesado.

O trabalho investigativo é conduzido há quatro meses pela Delegacia de Roubos de Veículos (DRV) do Deic, sob comando do delegado Rafael Liedtke. Houve o cumprimento de sete ordens judiciais, entre mandados de prisões temporárias e de busca e apreensão, nos bairros São José (no Morro da Cruz), Azenha (no condomínio residencial popular conhecido como Carandiru) e Praia de Belas (no Beco do Guaranha).

Dois bandidos investigados já foram presos na ação, sendo um na vila Planetário e o outro no bairro Mário Quintana. Um deles já havia sido detido três vezes por roubo de veículo, sendo que o último assalto ocorreu em janeiro deste ano. Houve a apreensão de drogas, carregadores de pistola calibre nove milímetros, entre outros objetos. Um dos detidos ainda tentou se livrar do material ao jogá-lo pela janela do quarto andar do prédio. “Eu espero que vá diminuir bastante as ocorrências”, afirmou o delegado Rafael Liedtke. “Eles clonavam os veículos roubados e passavam adiante, vendaim…”, resumiu o titular da DRV.

O grupo criminoso atuava de dia e de noite em vários bairros nobres da Capital, “onde tinham mais chance de pegar os carros bons”. Os agentes da DRV apuraram que a quadrilha atacava sempre vítimas com um mesmo padrão: geralmente aquelas saindo ou entrando nos veículos em determinados locais e as que mexiam em telefones celulares de dentro de carros estacionados. Em quase todos os casos, elas foram ameaçadas de morte e tiveram armas de fogo apontadas para o rosto. Os suspeitos vão responder por roubos de veículos, porte ilegal de armas de fogo, associação criminosa armada, receptações de carros roubados e adulteração de sinais identificadores. As vítimas devem agora fazer o reconhecimento deles.


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895