Quadrilha tinha toque de recolher e expulsou 20 famílias de casa na zona Sul, diz Polícia Civil
capa

Quadrilha tinha toque de recolher e expulsou 20 famílias de casa na zona Sul, diz Polícia Civil

Policiais realizaram operação contra criminosos na manhã desta segunda

Por
Eduardo Paganella / Rádio Guaíba

Uma pessoa acabou presa e uma arma foi apreendida durante operação na manhã desta segunda

publicidade

Alvo da operação realizada na manhã desta segunda-feira, a quadrilha desmantelada chegou a impor toque de recolher no bairro Lageado, zona Extremo-Sul de Porto Alegre, conforme a Polícia Civil. De acordo com o delegado da 7ª Delegacia de Polícia da capital, Gerson Nadler, os criminosos impediam que os moradores circulassem nas ruas depois das 19h ou 20h sem serem abordados por membros da organização.

Segundo o delegado, o grupo também expulsou cerca de 20 famílias de casa. “Pelo menos 20 famílias foram retiradas de casa para se estabelecer o tráfico de drogas. Quem não colaborasse com eles, era convidado a se retirar de casa”, afirmou . “É uma área de ocupação, então para evitar retaliação, as pessoas abandonavam a casa. Tinha toque de recolher, entre 19h ou 20h, qualquer pessoa que não fosse da quadrilha era abordada para saber o que estava fazendo na rua”, frisou Nadler.

Os criminosos estavam envolvidos com homicídios e tráfico de drogas na área há cerca de seis meses, informou o delegado. O número de assaltos e homicídios aumentou e a suspeita é de que a organização tenha relação com pelo menos quatro mortes na região, apontou Nadler. O líder da quadrilha, principal alvo da ação, não foi encontrado pelas autoridades. Uma pessoa acabou presa e uma arma foi apreendida. Novas ações devem ser realizadas pela Polícia Civil.

Brigada Militar nega toque de recolher

O comandante do 21º BPM tenente-coronel Marcio Roberto Galdino, negou que haja algum tipo de toque de recolher na região. “Esta informação não está confirmada”, salientou, em entrevista à Rádio Guaíba. “Vamos checar mais dados para ver estas situações.”

O oficial relatou que não recebeu informações do tipo da Polícia Civil e lamentou saber do assunto por jornalistas. “Fico um pouco preocupados receber esta informação a partir da imprensa. Temos buscado sempre atuado com extrema integração (com a Polícia Civil). Esta informação, que é bastante preocupante, é importante que chegue a nós num primeiro momento”, comentou.

O tenente-coronel destacou que o 21º BPM irá receber reforços no efetivo nos próximos dias e sinalizou aumentar a presença da Brigada Militar na região. “Além do policiamento normal, vamos fazer uma repressão qualificada”, ressaltou.