Secretaria de Segurança nega contágio de qualquer servidor pelo novo coronavírus

Secretaria de Segurança nega contágio de qualquer servidor pelo novo coronavírus

Monitoramento na área da segurança pública é acompanhado de medidas de proteção e prevenção

Correio do Povo

Policial militar usa proteção facial, fabricada por empresa de calçados, como alternativa à falta de máscaras no mercado

publicidade

Apesar dos riscos de contágio pelo novo coronavírus, a Secretaria da Segurança Pública do Estado informou na manhã desta quinta-feira que nenhum servidor da Brigada Militar, Polícia Civil, Corpo de Bombeiros Militar ou do Instituto-Geral de Perícias foi infectado até o momento. A mesma situação foi relatada pela Secretaria de Administração Penitenciária em relação à Superintendência dos Serviços Penitenciários. Conforme a SSP, os números de afastados do trabalho por suspeita de contaminação ou por fazerem parte do grupo de risco, como idosos e portadores de doenças crônicas, não estão sendo divulgados.

Em nota oficial, a SSP fez um esclarecimento. “Todos os dias há policiais sendo afastados por inúmeros motivos de prevenção: gripe leve, rinite, asma, retorno de viagem ao Exterior. Assim como todos os dias também há policiais retornando ao trabalho. Dessa forma, a constante atualização do número de afastados para divulgação à imprensa, tendo vista sua dinâmica de alteração a todo momento, não está entre as prioridades que a Segurança Pública precisa atentar nesse momento de gravidade”, explicou. “Pode-se confirmar, contudo, que não há nenhum caso da Covid-19 confirmado no efetivo da BM, da Polícia Civil, do IGP e Corpo de Bombeiros Militar, bem como não há também qualquer prejuízo ao trabalho de policiamento e demais serviços dessas instituições em nenhum local do Estado em razão da pandemia”, acrescentou.

O diretor do Departamento de Integração, Planejamento e Política de Segurança da SSP, coronel Márcio Roberto Galdino, lembrou que cada uma das instituições já adotou os devidos procedimentos padrões diante da pandemia conforme as atividades desempenhadas. “Agora está sendo centralizada é a aquisição de alguns equipamentos de proteção individual, como máscaras, macacões de proteção, para todos que trabalham na área da segurança”, observou. “A grande dificuldade hoje é dos fornecedores que estão sem matéria-prima ou sem condições de entrega em um prazo adequado nas próximas semanas”, destacou. “Não temos fornecedores”, resumiu.

O coronel Márcio Roberto Galdino ressaltou que alternativas estão sendo procuradas. “Foi montado um grupo de trabalho para a aquisição de diversos itens nos diversos níveis de proteção”, adiantou. O diretor afirmou ainda que a comunidade, sobretudo as empresas, estão colaborando neste sentido coma fabricação de máscaras, luvas, jalecos e outros materiais necessários à proteção. “É o que está nos ajudando”, agradeceu. Recentemente a fábrica de calçados Grendene entregou 1,4 mil protetores faciais à BM na Serra, produzidos dentro da empresa.

Sobre a prevenção ao novo coronavírus, o coronel Márcio Roberto Galdino recordou que os servidores da segurança pública, junto com os profissionais da área da saúde, estão mais expostos ao vírus. Ele citou, como exemplo, o policial militar nas ruas, o policial civil na delegacia e o perito no local do crime ou diante de um cadáver. “É quem está em contato direto com o público e não parou”, frisou. A população, acrescentou, pode também ajudar em evitar o contágio ao obedecer os “cuidados que já se tem hoje como manter distância recomendada, apresentar e deixar à mostra os documentos” durante uma abordagem. “É trabalhar em cooperação neste momento. É para a proteção de todos”, sintetizou. “Todo o sistema de segurança pública é de proteção à sociedade com a maior dedicação”, enfatizou.


Mais Lidas

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895