Segundo detento é retirado da Penitenciária Estadual de Venâncio Aires, após tentativa de resgate

Segundo detento é retirado da Penitenciária Estadual de Venâncio Aires, após tentativa de resgate

O terceiro veículo usado pelos criminosos que efetuaram o ataque foi localizado na zona rural

Correio do Povo

Ford EcoSport estava sem as rodas e tinha manchas de sangue e marcas de tiros

publicidade

A Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe) confirmou nesta terça-feira, à reportagem do Correio do Povo, que um segundo detento foi transferido após a tentativa de resgate de apenados na madrugada de domingo passado na Penitenciária Estadual de Venâncio Aires (PEVA).

O detento foi levado no final da tarde de segunda-feira para outra casa prisional pelo efetivo do Grupo de Ações Especiais (Gaes) da Susepe. Um outro preso já tinha sido removido da PEVA depois do ataque. Ambos seriam uns dos possíveis alvos do grupo de criminosos que confrontou-se com servidores penitenciários e policiais militares, sendo repelidos.

As investigações prosseguem para esclarecer o caso. A Susepe abriu também um procedimento administrativo disciplinar para a apuração dos autores dos vídeos que circularam nas redes sociais, durante a tentativa de resgate, e foram feitos dentro das celas do estabelecimento prisional. Uma revista geral nas galerias da PEVA, que abriga cerca de 530 apenados, também foi realizada. A segurança foi reforçada no local.

VEÍCULOS

Os bandidos fortemente armados estavam em três veículos quando invadiram o acesso externo lateral da PEVA, próximo à estação de tratamento esgoto, sendo rompida a tela de contenção. Com o fracasso do plano, eles fugiram para longe da área. No entanto, um Jeep Renegade e uma Chevrolet Captiva foram abandonados em seguida, pois ficaram atolados na lama.

A Brigada Militar manteve as buscas aos fugitivos. Na tarde desta segunda-feira, uma Ford EcoSport, com blindagem artesanal, foi localizada abandonada pelo Comando RodovIário da BM em uma estrada vicinal na localidade de Picada Mirante, na zona rural de Venâncio Aires. O local fica cerca de 100 metros de distância da RSC 287.

O veículo estava sem as rodas e apresentava marcas de disparos. A Ford EcoSport, que havia sido roubada em abril passado em São Paulo, foi encaminhada para a Polícia Civil, que por sua vez acionou o Instituto-Geral de Perícias. Havia manchas de sangue em um dos bancos, o que reforçou ainda mais a suspeita de que um dos criminosos tenha ficado ferido no confronto.

AMAPERGS SINDICATO

O presidente da Amapergs Sindicato, Saulo Felipe Basso dos Santos, apontou a falta de efetivo e o atraso na regulamentação da Polícia Penal como alguns dos motivos para a ocorrência da tentativa de resgate de apenados na Peva. Ele lembrou mesmo assim que os servidores penitenciários trocaram tiros e impediram o ataque.

Observando que a PEVA é uma das casas prisionais mais bem estruturadas da Susepe, o dirigente sindical espera que o episódio faça “o Governo do Estado dar mais atenção aos servidores penitenciários e à Susepe”. Além do aumento do efetivo, ele defende melhor armamento, pois os criminosos estavam com fuzis de calibres 762 e 556 contra as pistolas calibres 40 usadas pelos servidores penitenciários.

“Agora imagina o que essas facções estão dispostas a fazer! Pensa nas casas prisionais onde a estrutura é mais precária? Por isso a importância da regulamentação da Polícia Penal. Por isso a necessidade de reforçar o efetivo, chamando os aprovados em concurso para servidores penitenciários”, enfatizou o presidente da Amapergs Sindicato. Para ele, a regulamentação da Polícia Penal contribuirá para proporcionar ainda mais força para os servidores penitenciários na gestão das casas prisionais.  


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895