Suspeito de esquartejamento da jovem em Canoas é preso em Santa Catarina

Suspeito de esquartejamento da jovem em Canoas é preso em Santa Catarina

Indivíduo alega que apenas gravou imagens dos membros da vítima em um banheiro de um apartamento de um condomínio no bairro Rio Branco

Correio do Povo

Captura ocorreu na praia dos Inglesas, no Norte da Ilha de Florianópolis

publicidade

O titular da Delegacia de Polícia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DPHPP) de Canoas confirmou que o indivíduo preso no final de semana é quem gravou com celular os restos mortais de uma jovem no interior de um banheiro de um apartamento de um condomínio residencial no bairro Rio Branco.

À reportagem do Correio do Povo na manhã desta segunda-feira, o delegado Robertho Peternelli explicou que o suspeito declarou durante depoimento que “não teve participação maior” exceto pela filmagem. “Esta é a versão dele”, ressalvou. As investigações prosseguem para capturar outros dois envolvidos no crime, dos quais um já está identificado.

A prisão do suspeito ocorreu na madrugada de sábado passado na praia dos Ingleses, no Norte da Ilha de Florianópolis, em Santa Catarina. O indivíduo estava com prisão temporária decretada. Houve a mobilização de agentes da DHPP de Canoas e da Divisão de Inteligência do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa.

Segundo a equipe do delegado Robertho Peternelli, a Polícia Rodoviária Federal teve “papel preponderante no acompanhamento de um veículo que poderia levar ao paradeiro do foragido”. O titular da DPHPP de Canoas afirmou anda que "um importante passo foi dado" e "não descansaremos enquanto todos os envolvidos não estiverem presos e à disposição da Justiça".

A vítima foi identificada como Gabriela Lima Santana, 21 anos, natural de Capão da Canoa, sem antecedentes criminais. O corpo esquartejado dela foi encontrado na tarde da última quarta-feira dentro de uma mala em um valão, ao lado BR 448 (Rodovia do Parque), no bairro Rio Branco. A descoberta foi realizada por uma equipe da limpeza municipal que fazia o desassoreamento do local.

O esquartejamento teria ocorrido provavelmente no final de fevereiro deste ano. As imagens dos membros seccionados da vítima circularam então nas redes sociais. No dia 6 deste mês, a Polícia Civil e a Brigada Militar realizaram a operação Gota D’Água após a identificação do imóvel e do conjunto residencial onde foi realizada a filmagem. Seis ordens judiciais, sendo três mandados de prisão e três de busca e apreensão foram cumpridas no local. Um foragido e uma mulher foram detidos na ocasião.

 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895