Técnica de enfermagem é presa por furto e venda de equipamentos de hospital em Viamão

Técnica de enfermagem é presa por furto e venda de equipamentos de hospital em Viamão

Investigação da Delegacia de Polícia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco) apurou um prejuízo de mais de R$ 100 mil para a instituição de saúde

Correio do Povo

Dois aparelhos foram recuperados em uma clínica veterinária no bairro Restinga, em Porto Alegre

publicidade

Uma técnica de enfermagem foi presa pela Polícia Civil por suspeita de furtar e vender 34 equipamentos hospitalares utilizados na UTI-Covid do Hospital de Cardiologia de Viamão. Tratam-se de bombas de infusão de medicamentos e eletrocardiógrafos recebidos pela instituição de saúde para o tratamento de pacientes com a Covid-19.

A investigação é da Delegacia de Polícia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco) de Viamão, sob comando do delegado Eduardo Limberger do Amaral. Os aparelhos foram avaliados pela equipe policial em mais de R$ 100 mil.

Houve a realização da operação Antídoto ao longo dessa quinta-feira, sendo cumpridos cinco mandados de busca e apreensão e ainda um mandado de prisão preventiva. Uma detenção em flagrante também foi feita. A ação resultou ainda em dez contas bancárias bloqueadas.

A investigação apurou que a técnica de enfermagem, de 24 anos, subtraiu os equipamentos no período de ao menos cinco meses. Ela oferecia nas plataformas digitais os aparelhos por um valor muito inferior ao de mercado.

Em um dos alvos das ordens judiciais, os agentes da Draco de Viamão recuperaram uma bomba de infusão e um eletrocardiógrafo, calculados em R$ 24 mil, que estavam em uma clínica veterinária no bairro Restinga, em Porto Alegre.

O médico-veterinário proprietário do local foi preso em flagrante pela prática de receptação. Conforme os policiais civis, ele manteve-se em silêncio.

Outros quatro mandados de busca foram cumpridos em moradias vinculadas à investigada em Viamão. A técnica de enfermagem confessou a prática dos crimes. O delegado Eduardo Limberger do Amaral garantiu que a investigação terá prosseguimento. 


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895