Tese de legítima defesa é apurada no caso dos quatro mortos em pizzaria em Porto Alegre

Tese de legítima defesa é apurada no caso dos quatro mortos em pizzaria em Porto Alegre

Polícia Civil analisa imagens de câmera do estabelecimento e coleta depoimentos, entre outras diligências

Correio do Povo

Vídeo mostra grupo chegando até o banheiro onde estava trancado o brigadiano

publicidade

A diretora do Departamento Estadual de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP), delegada Vanessa Pitrez, confirmou que a tese legítima defesa é a primeira linha de investigação apurada no caso das quatro pessoas mortas por um brigadiano dentro de uma pizzaria em Porto Alegre. A ocorrência foi registrada no final da madrugada de domingo passado dentro do estabelecimento comercial, localizado na avenida Manoel Elias, no bairro Mario Quintana. A apuração está com a 5ª Delegacia de Polícia de Homicídios e Proteção à Pessoa (5ª DPHPP), sob comando do delegado Gabriel Lourenço.

“O que temos preliminarmente é o vídeo coletado da pizzaria e os depoimentos do proprietário e do funcionário, além do policial militar que efetuou os disparos”, explicou a delegada Vanessa Pitrez na manhã desta segunda-feira à reportagem do Correio do Povo. 

“A versão do policial militar é de que teria ido atrás da namorada em uma festa em uma casa e que teria ocorrido um desentendimento com estas pessoas, sendo perseguido por elas. Ele foi se esconder no banheiro da pizzaria, as pessoas invadiram o banheiro e tentaram atacá-lo”, disse.

“Ele teria avisado que era policial e que estava armado, mas as pessoas continuaram investindo contra ele, que não teve outra alternativa senão atirar contra elas, Esta é a versão apresentada pelo policial militar”, acrescentou.

De acordo com a delegada Vanessa Pitrez, o vídeo mostra “realmente que ele se escondeu tentando aparentemente evitar o confronto”. As imagens mostram os quatro indivíduos, sendo dois irmãos, um sobrinho e um primo, invadindo o banheiro. “O vídeo mostra cenas que corroboram com a versão dele. O proprietário e funcionário da pizzaria apresentaram versões bastante semelhantes à do policial”, observou.
 
“Vamos apurar todas as circunstâncias do fato para confirmar a versão inicial de que se trata de legítima defesa ou foi um homicídio quádruplo”, assegurou a delegada Vanessa Pitrez. Entre as diligências estão depoimentos de outras testemunhas que estavam na festa e das duas mulheres que aparecem no vídeo com os quatro homens no momento de chegarem até o banheiro.  

A pistola calibre 40, de propriedade da Brigada Militar, foi recolhida e encaminhada ao Instituto-Geral de Perícias. “O policial militar apresentou-se espontaneamente e por isso não foi preso”,  esclareceu a diretora do Departamento Estadual de Homicídios e de Proteção à Pessoa.

Por sua vez, a Brigada Militar instaurou um Inquérito Policial Militar (IPM).


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895