Ugeirm Sindicato alerta para lotação de presos em viaturas e celas na Capital e Região Metropolitana

Ugeirm Sindicato alerta para lotação de presos em viaturas e celas na Capital e Região Metropolitana

Na manhã deste sábado havia 99 detidos e na ultima sexta-feira foram registrados 125

Correio do Povo

Entidade de classe tem emitido alertas há muito tempo para a situação

publicidade

A Ugeirm Sindicato denunciou mais uma vez neste sábado a lotação de presos em delegacias da Polícia Civil e viaturas da Brigada Militar. A entidade de classe, que representa os policiais civis, contabilizou 99 detidos que aguardavam vagas nos presídios pela manhã. Na última sexta-feira, um total de 125 pessoas permaneciam nesta situação em Porto Alegre e Região Metropolitana. “Longe de ser resolvida, a situação vem se agravando. Num quadro de descontrole da Pandemia do novo coronavírus, esses números se tornam ainda mais graves”, alertou.

Conforme o levantamento, a 2ª DPPA, no Palácio da Polícia, estava com 16 presos e a 3ª DPPA, no bairro Navegantes, com dois. No Departamento Estadual de Investigações do Narcotráfico (Denarc) encontravam-se cinco detidos e no Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DPHPP) outros dois.

A situação dramática, porém, foi registrada na DPPA de Canoas que abrigava 29 indivíduos, seguida da DPPA de Viamão com 12, DPPA de Novo Hamburgo com 10 e DPPA de Gravataí com 11. Já na DPPA de São Leopoldo foram contabilizados seis. Na DP de Charqueadas, seis esperavam vaga em estabelecimentos penais.

“O risco a que estão expostos os policiais civis e a população, que precisa dos serviços da Polícia Civil, é enorme. Além dos riscos de uma rebelião ou tentativa de fuga, temos os enormes riscos de disseminação da Covid-19 entre os presos e a própria população”, advertiu a Ugeirm Sindicato. “É importante ressaltar, que esses presos em algum momento terão que sair das delegacias e que poderão levar o vírus para os presídios, além dos policiais civis que, apesar de vacinados, continuam suscetíveis a contrair o vírus e levá-los para os seus familiares”, acrescentou. “Ou seja, essa situação é uma verdadeira bomba-relógio, que pode jogar por terra toda a política de distanciamento social do Governo do Estado”, complementou a entidade de classe.

O presidente da Ugeirm Sindicato, Isaac Ortiz, fez novamente um apelo. “O Judiciário, o Ministério Público e o Legislativo precisam tomar alguma providência. Existe uma decisão judicial que obriga o Executivo a retirar todos os presos das delegacias. Até quando os policiais e a sociedade terão que aguentar tanto descaso com os profissionais da segurança pública?”, questionou o dirigente.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895