Universitários, traficantes são presos pelo Denarc em Porto Alegre

Universitários, traficantes são presos pelo Denarc em Porto Alegre

Dupla atendia grupo restrito de clientes de alto poder aquisitivo por aplicativo

Correio do Povo

Maconha conhecida como camarão custa R$ 50,00 cada grama

publicidade

Com uma clientela seleta de apenas cerca de 20 jovens de elevado poder aquisitivo, uma dupla de traficantes de classe alta foi presa em flagrante na manhã desta sexta-feira pelo Departamento Estadual de Investigações do Narcotráfico (Denarc) da Polícia Civil em Porto Alegre. Ambos são universitários e com 21 anos de idade. A ação, coordenada pelo delegado Fernando Siqueira, ocorreu nos bairros Petrópolis e Boa Vista, com o cumprimento de mandados de busca e apreensão nas residências.

Houve a apreensão de maconha conhecida como camarão com forte teor do princípio ativo THC e avaliada em cerca de R$ 1 mil; haxixe;  MDMA em pó e cristal que é usado em ecstasy; três frascos de lança-perfume; duas balanças de precisão; dois telefones celulares e uma calculadora, além de diversas embalagens. “Cada grama de camarão vale 50,00”, observou o delegado Fernando Siqueira.  A clientela vip fazia parte de um grupo fechado no aplicativo WhatsApp.

As investigações duraram em torno de três meses. “Chegou uma denúncia de pais de jovens de classe média alta de que seus filhos estavam consumindo drogas sintéticas bem como informaram o nome do suspeito, também jovem”, relatou o delegado Fernando Siqueira.. Segundo ele, todos envolvidos, traficantes e clientes, são ex-alunos de um conhecido colégio de classe alta da Capital. “A partir das investigações, chegamos na identificação do indivíduo e de um segundo que em comunhão de esforços comercializavam drogas sintéticas e maconha de alta qualidade”, destacou.

O trabalho de investigação terá prosseguimento para descobrir quem seria o fornecedor destas drogas à dupla de universitários. “É um trabalho que terá andamento”, resumiu. “O desdobramento poderá ser bem maior”, previu o delegado Fernando Siqueira.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895