Vereadora do PSol é morta a tiros no Rio de Janeiro
capa

Vereadora do PSol é morta a tiros no Rio de Janeiro

Motorista também perdeu a vida quando carro que levava a parlamentar foi alvejado

Por
Correio do Povo

Motorista também perdeu a vida quando carro que levava a parlamentar foi alvejado

publicidade

A Polícia do Rio de Janeiro confirmou, nesta quarta-feira, o assassinato da vereadora do Rio de Janeiro, Marielle Franco, do PSol. Ela foi morta a tiros na rua Joaquim Palhares, região central da cidade – pouco antes ela havia participado de um evento na Lapa. Os indícios iniciais não apontam para latrocínio, conforme a perícia.

Quinta vereadora mais votada no Rio nas últimas eleições, Marielle estava dentro de um veículo com o motorista e a assessora de imprensa. O condutor também foi alvejado e não resistiu. A terceira vítima teve escoriações por conta de estilhaços.

Durante o fim de semana, a vereadora postou no Twitter criticando as ações da Polícia Militar na região de Acari. "O que está acontecendo agora em Acari é um absurdo! E acontece desde sempre! O 41° batalhão da PM é conhecido como Batalhão da morte. CHEGA de esculachar a população! CHEGA de matarem nossos jovens", escreveu.

Na véspera, ela também havia criticado a PM do Rio:



O crime ocorreu poucas horas depois da troca do comando da Polícia Militar do Rio, que agora está sob responsabilidade do coronel Luis Clausio Laviano. Ele já foi comandante do Bope. O Rio de Janeiro está sob intervenção federal na área da Segurança Pública.

O PSol, pouco depois das 23h, divulgou uma nota, expressando pesar e indignação: “O Partido Socialismo e Liberdade vem a público manifestar seu pesar diante do assassinato da vereadora Marielle Franco. Estamos ao lado dos familiares, amigos, assessores e dirigentes partidários do PSOL/RJ nesse momento de dor e indignação. A atuação de Marielle como vereadora e ativista dos direitos humanos orgulha toda a militância do PSOL e será honrada na continuidade de sua luta. Exigimos apuração imediata e rigorosa desse crime hediondo. Não nos calaremos!”.