Alexandre pede ao TSE que investigue o ministro da Justiça por live com Bolsonaro

Alexandre pede ao TSE que investigue o ministro da Justiça por live com Bolsonaro

Objetivo é apurar se o delegado Anderson Torres, cotado ao governo do Distrito Federal, fez propaganda eleitoral antecipada

AE

Pedido foi encaminhado na terça-feira, ao gabinete ministro Luís Felipe Salomão, corregedor do TSE

publicidade

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), pediu que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) investigue a participação do ministro da Justiça, o delegado da Polícia Federal Anderson Torres, na transmissão ao vivo feita pelo presidente Jair Bolsonaro no último dia 29 para questionar a segurança das urnas eletrônicas.

O pedido foi encaminhado na terça-feira, ao gabinete ministro Luís Felipe Salomão, corregedor do TSE. O objetivo é apurar se o ministro da Justiça fez propaganda eleitoral antecipada. Isso porque Torres é cotado para disputar o governo do Distrito Federal nas eleições do ano que vem.

O ministro participou dos minutos finais da live e leu trechos de um relatório da Polícia Federal sobre os testes públicos nas urnas eletrônicas feitos pelo TSE.

"Exatamente tudo o que foi falado, tudo o que foi questionado, todas as dúvidas levantadas pelos eleitores. A Polícia Federal também analisou, da mesma forma, encaminhou e o Tribunal Superior Eleitoral tem isso lá como sugestão da Polícia Federal para o aprimoramento do sistema eleitoral brasileiro", concluiu após a leitura do relatório.

Antes disso, Bolsonaro usou a live para levantar suspeitas sobre o sistema eletrônico de votação. Sem provas, misturou notícias falsas, vídeos descontextualizados que circulam há anos na internet e análises enviesadas sobre números oficiais da apuração dos votos para defender a proposta do comprovante impresso de voto.

A transmissão ao vivo fez com que o TSE e o STF abrissem investigações para apurar as declarações do presidente. No Supremo, Bolsonaro está sendo investigado em um inquérito vinculado ao das fake news. Nesta frente, o ministro da Justiça já foi chamado a prestar depoimento à Polícia Federal sobre a participação na gravação.

A saga do presidente contra as urnas eletrônicas também levou o Tribunal Superior Eleitoral a formalizar uma notícia-crime junto ao Supremo Tribunal Federal pedindo a investigação de Bolsonaro pelo vazamento do inquérito sigiloso da Polícia Federal que apura um ataque ao sistema interno do TSE ocorrido em 2018.

Veja Também


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895