Após 2 dias, Bolsonaro diz lamentar 500 mil óbitos por Covid-19 e defende tratamento precoce

Após 2 dias, Bolsonaro diz lamentar 500 mil óbitos por Covid-19 e defende tratamento precoce

Para o vice-presidente Hamilton Mourão, marca de mortos pela doença é o "retrato da desigualdade socioeconômica" do Brasil

AE

Bolsonaro voltou a defender remédios do chamado tratamento precoce para Covid-19

publicidade

Dois dias depois do Brasil superar a marca de 500 mil mortes por Covid-19, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse, nesta segunda-feira, que lamenta o fato, assim como qualquer óbito pela doença.

Em conversa com jornalistas, em Guaratinguetá (SP), Bolsonaro, no entanto, voltou a defender remédios do chamado tratamento precoce, cuja eficácia não têm comprovação científica. "É a primeira vez na história que se busca atender as pessoas depois que estão hospitalizadas".

Bolsonaro defendeu a autonomia dos profissionais da saúde para indicarem o tratamento que considerarem adequado aos pacientes. "Eu defendo a liberdade do médico poder tratar o paciente como quiser, e assim entende o Conselho Federal de Medicina", afirmou.

O presidente voltou a mencionar um suposto documento do Tribunal de Contas da União (TCU) no qual, segundo ele, havia indícios da prática de supernotificação de mortes por Covid-19 por parte de governos estaduais. O órgão desmentiu e garantiu que não apontou irregularidades por parte de gestões locais.

"Retrato da desigualdade socioeconômica"

O vice-presidente Hamilton Mourão afirmou que a marca de 500 mil mortos pela Covid-19 é o "retrato da desigualdade socioeconômica" do Brasil. "Tem muita gente que tem tratamento melhor, tem gente que não consegue chegar ao hospital. É consequência da situação que a gente vive. Temos que corrigir", disse.

Questionado sobre a possibilidade de o atraso da imunização em massa ter agravado o quadro e causado mais óbitos, defendeu o governo. "Nossa vacinação está de acordo com o restante do mundo, excetuando os Estados Unidos e países pequenos, como Israel e Chile." Ele citou o tamanho da população do Brasil como entrave à aplicação mais ágil dos imunizantes. "Vacinar 10 mil pessoas é uma coisa, ter que vacinar 10 milhões é outra".

O vice-presidente também criticou manifestantes que foram às ruas no final de semana protestar contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), a quem atribuem responsabilidade pelas mortes. "Existe gente que não gosta do nosso governo. A oposição faz parte de qualquer sistema democrático. Agora, é uma aglomeração, então é um risco a que essas pessoas se submeteram", opinou.

Veja Também


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895