Após ação policial, Alckmin e Doria dizem que fluxo não voltará à Cracolândia
capa

Após ação policial, Alckmin e Doria dizem que fluxo não voltará à Cracolândia

Nova ação retirou usuários de drogas da Praça Princesa Isabel na manhã deste domingo

Por
AE

publicidade

O governador Geraldo Alckmin e o prefeito João Doria, ambos do PSDB, aprovaram a ação policial que retirou os usuários de drogas da Praça Princesa Isabel na manhã deste domingo, no centro de São Paulo. Eles afirmaram que os dependentes não vão ficar no quadrilátero da antiga Cracolândia, onde o maior grupo se refugiou após a dispersão do fluxo pela polícia.

"(A Cracolândia) não vai voltar para a (Rua) Helvétia, não vai voltar", afirmou Alckmin em coletiva de imprensa dentro do prédio de acolhimento do Programa Recomeço do governo estadual. "Não há a menor hipótese de a Rua Helvétia, a Dino Bueno voltarem a ter o status que já tiveram no passado. Essa hipótese é zero, seja pela ação do Estado, seja pela ação do município", completou Doria.

Tanto Alckmin quanto Doria enalteceram a operação da Polícia Militar, que prendeu dois traficantes e um dependente por agressão e retirou o acampamento de viciados da Praça Princesa Isabel, novo endereço da Cracolândia desde a primeira operação policial na região, há exatas três semanas. Para ambos, a dispersão vai facilitar a abordagem dos dependentes químicos pelos agentes sociais e dificultar a ação de traficantes que abastecem o fluxo.

Neste domingo, policiais militares da Força Tática e do Choque começaram a sitiar a praça por volta das 5h. Assim que perceberam a movimentação policial, muitos usuários de drogas e traficantes da nova Cracolândia começaram a deixar a praça em direção à estação da Luz e ao Elevado João Goulart, o Minhocão, abandonando as inúmeras barracas montadas ao longo de três semanas no novo ponto de venda e consumo de crack.

Viaturas da PM já bloqueavam as avenidas Rio Branco e Duque de Caxias quando o helicóptero de corporação sobrevoou pela primeira vez a região, às 6h24min. O barulho soou como mais um alarme de retirada dos acampados e mais viciados deixaram o reduto.

Fogueiras que tinham sido acesas durante a noite para ajudar a espantar o frio - a temperatura média na capital esta noite foi de 8,7°C -, foram alimentadas pelos dependentes, e o fogo atingiu barracos e acabou se espalhando. Uma nuvem preta cobriu um cenário de lixo e miséria. A PM acionou o Corpo de Bombeiros e homens do Choque começaram a entrar na Praça.