Após decisão, deputados criticam Exército por deixar Pazuello "impune"

Após decisão, deputados criticam Exército por deixar Pazuello "impune"

Avaliação é de que postura abre espaço para "novas transgressões" nas Forças Armadas

AE

Pazuello não deve ser punido pelo comando do Exército

publicidade

Após decisão do Exército de não punir o general Eduardo Pazuello por participação em ato ao lado do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), deputados foram às redes criticar a instituição. O ex-presidente da Câmara Rodrigo Maia (DEM-RJ) afirmou já estar na hora de a Casa discutir a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que veda aos militares da ativa a ocupação de cargo de natureza civil na administração pública.

A autora da proposta, deputada Perpétua Almeida (PCdoB-AC), afirmou que a "sensação" de não se saber "onde termina o governo e começa o Exército" é a pior coisa que pode acontecer às Forças Armadas. Para os deputados Jorge Solla (PT-BA) e José Guimarães (PT-CE), a decisão abre espaço para "novas transgressões" por parte de militares "ao deixar Pazuello impune". "Sem tergiversar, é a maior vitória de Bolsonaro em favor de um golpe até aqui", disse Solla. Para Guimarães, a falta de medidas contra o general dá "carta branca" para que "qualquer patente cometa o mesmo erro ou coisa pior".

Na mesma linha, o deputado Ivan Valente (PSOL-SP) classificou a falta de punição como um "atentado à democracia". No Twitter, Valente acusou o Exército de se curvar a Bolsonaro. "Está instalada a anarquia militar", afirmou o parlamentar. A ex-aliada de Bolsonaro e deputada Joice Hasselmann (PSL-SP) também entrou no coro de críticas às Forças Armadas. "Como pode a cúpula do Exército ficar de joelhos para um político?", questionou, acusando Bolsonaro de estar "destruindo nossas instituições".

Para Orlando Silva (PCdoB-SP), "ao ceder a Bolsonaro e aceitar a imposição da desordem, o comando trincou o mais importante estamento militar". Marcelo Freixo (PSOL-RJ) também comentou o caso, declarando que o Exército está se "desmoralizando" diante da "delinquência" de Bolsonaro.

O comando do Exército anunciou nesta quinta-feira que o ex-ministro da Saúde e general Eduardo Pazuello não cometeu "transgressão disciplinar" por ter participado de ato político no Rio de Janeiro ao lado do presidente Jair Bolsonaro.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895