Aras vê com "tranquilidade" decisão de Toffoli sobre dados sigilosos
capa

Aras vê com "tranquilidade" decisão de Toffoli sobre dados sigilosos

Presidente do STF negou pedido de revogação de PGR sobre relatórios financeiros de 600 mil pessoas

Por
AE

Aras havia enviado ofício ao STF apontando que decisão colocava em risco a integridade do sistema de inteligência financeira

publicidade

O procurador-geral da República, Augusto Aras, afirmou que recebeu com "tranquilidade" a decisão do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, que negou o seu pedido de revogação da decisão sobre acesso a dados sigilosos e ampliou a solicitação de acesso aos relatórios financeiros de cerca de 600 mil pessoas produzidos nos últimos três anos pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) - rebatizado Unidade de Inteligência Financeira (UIF).

Além de rejeitar a solicitação de Aras, o presidente da Corte intimou a Procuradoria-Geral da República (PGR) a informar "voluntariamente" ao Supremo, levando em conta "o diálogo institucional proposto no pedido de reconsideração", quem teve acesso aos dados encaminhados pelo antigo Coaf e quais relatórios foram encaminhados dentro do órgão. O sistema restrito - a que Toffoli ainda não teria acessado, segundo sua assessoria - permite rastrear quais servidores estão online e quais as informações que eles estão analisando.

Em nota, a Procuradoria-Geral da República afirma que Aras "recebeu com tranquilidade" o pedido do presidente do Supremo e que atua com "transparência".

"A instituição atua de forma transparente na busca de quaisquer indícios que possam servir de prova nos procedimentos investigativos em curso. Ressalta que esse rigor é aplicado na relação com as instituições que atuam na área de inteligência. Destaca ainda o fato de, na decisão, ter o ministro garantido que o STF não realizou o cadastro necessário ou teve acesso aos relatórios de inteligência, ratificando o que já havia lançado em nota pública. O procurador lembra que esta cautela é necessária para resguardar direitos individuais fundamentais e que são objeto de tutela do Ministério Público e de recomendações de organismos internacionais", diz o texto.

Nessa sexta, Toffoli intimou Aras a responder até segunda-feira quais membros do Ministério Público Federal, com os respectivos cargos e funções, são cadastrados no sistema; quantos relatórios de informações financeiras (RIFs) foram encaminhados "espontaneamente" pelo antigo Coaf ao MPF; e quantos relatórios o Ministério Público Federal recebeu "em razão de sua própria solicitação".

Desconforto

A decisão de Toffoli aumentou o desconforto dentro da Procuradoria-Geral da República. Em petição encaminhada à Corte na sexta-feira, Aras considerou o pedido do presidente do Supremo uma "medida desproporcional", que colocava "em risco a integridade do sistema de inteligência financeira" do País. O procurador-geral classificou a solicitação de Toffoli como "demasiadamente interventiva".

Nas redes sociais, outros membros do MPF e a classe política se manifestaram contrários a decisão do presidente da Corte. O procurador da República Vladimir Aras, primo do procurador-geral, afirmou que Toffoli "precisa ser contido pelo próprio tribunal".

Outro membro do MPF, o procurador Wesley Miranda Alves questionou: "Onde isso vai parar?".

Deputados e senadores também mostraram insatisfação com a posição do ministro. A deputada Professora Dayane Pimentel (PSL-BA) classificou a decisão de Toffoli como "uma ameaça"'.