Assembleia aprova abertura do processo de impeachment de Witzel

Assembleia aprova abertura do processo de impeachment de Witzel

Aprovado com 69 votos favoráveis, caso agora vai para um Tribunal Misto formado por deputados e desembargadores

R7

Witzel disse que não teve seu direito de defesa garantido na ação

publicidade

A Alerj (Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro) aprovou nesta quarta-feira, com 69 votos favoráveis, a abertura do processo de impeachment do governador afastado Wilson Witzel. Durante a sessão, se pronunciaram 31 deputados de 14 partidos e o governador afastado teve 60 minutos para apresentar sua defesa. Por videoconferência, Witzel disse que não teve seu direito de defesa garantido na ação, relembrou sua trajetória na magistratura e a avaliou que os deputados têm usado o processo como “palanque eleitoral”.

Agora, o caso segue para o tribunal misto, composto de cinco deputados e cinco desembargadores do TJ-RJ (Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro). A decisão será publicada em Diário Oficial na quinta-feira, e no dia seguinte, os partidos são convocados para indicar os cinco deputados ao tribunal misto. Em seguida, a corte tem até 120 dias para concluir se houve ou não crime de responsabilidade e caso seja confirmado, o governador é afastado do cargo.

Na semana passada, o MPF (Ministério Público Federal) apresentou uma nova denúncia contra o governador afastado. A acusação, desta vez, foi por organização criminosa. A denúncia foi feita com base em três operações policiais.

Além de Witzel, outras dez pessoas também foram denunciadas. Entre elas, está a mulher do governador afastado, Helena Witzel, e o presidente do PSC, Pastor Everaldo.

De acordo com a subprocuradora-geral da República, Lindôra Araújo, Wilson Witzel e o grupo atuaram da mesma forma que organizações criminosas que agiram no estado nos dois governos anteriores.

Os procuradores da República querem que os denunciados devolvam aos cofres públicos R$ 100 milhões.

Witzel é investigado por corrução na área da Saúde durante a sua gestão em contratos com OSs e hospitais de Campanha.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895