Autoridade eleitoral do Equador confirma segundo turno presidencial entre Arauz e Lasso

Autoridade eleitoral do Equador confirma segundo turno presidencial entre Arauz e Lasso

Resolução foi aprovada por unanimidade de votos dos cinco membros

AFP

Cerca de 13,1 milhões de eleitores são convocados às urnas

publicidade

O Conselho Nacional Eleitoral (CNE) do Equador confirmou neste sábado (20) que o economista de esquerda Andrés Arauz e o ex-banqueiro de direita Guillermo Lasso vão disputar a eleição presidencial em 11 de abril, depois de resolver todas as contestações sobre a votação do primeiro turno em fevereiro. "Depois de apurados 100% (dos votos) e resolvidos os recursos judiciais das organizações políticas, o plenário do órgão eleitoral decidiu proclamar os resultados definitivos pela dignidade do binômio presidencial", anunciou o secretário da entidade, Santiago Vallejo.

A resolução foi aprovada por unanimidade de votos dos cinco membros, em reunião realizada no porto de Guayaquil. Arauz, de 36 anos, herdeiro político do ex-presidente socialista Rafael Correa (2007-2017), venceu o primeiro turno com 32,72% dos votos, seguido por Lasso, 65, com 19,74%, segundo os resultados apurados pelo CNE.

O líder indígena de esquerda Yaku Pérez, que ficou em terceiro lugar com 19,39% dos votos, denunciou que uma fraude da direita o tirou da disputa. Advogado ambientalista de 52 anos, ele esgotou todas as vias para contestar o resultado, negadas pelo CNE, que organiza as eleições, e o Tribunal Contencioso Eleitoral (TCE), encarregado de julgar e fazer cumprir as normas eleitorais. Em resposta, pediu a seus apoiadores que não votem em nenhum dos candidatos. 

Cerca de 13,1 milhões de eleitores são convocados às urnas para eleger o sucessor do impopular presidente Lenín Moreno, cujo mandato de quatro anos termina em 24 de maio. Arauz e Lasso, que estão em campanha eleitoral desde terça-feira, participarão de um debate neste domingo em um encontro organizado pelo CNE, que será transmitido ao vivo para todo o país.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895