Auxílio Brasil: reajuste automático trava debate na Câmara

Auxílio Brasil: reajuste automático trava debate na Câmara

Previsão era de votação na noite dessa terça-feira (23), mas tema segue sem ser discutido

R7

A votação da proposta no plenário da Câmara dos Deputados estava prevista para ontem

publicidade

A proposta de correção automática pela inflação do Auxílio Brasil, defendida pelo relator Marcelo Aro (PP-MG), é o ponto de maior resistência na discussão da medida provisória que criou o benefício. A votação da proposta no plenário da Câmara dos Deputados estava prevista para terça-feira (23), mas a falta de consenso gerou um atraso. 

O relatório ainda não foi protocolado oficialmente. Nos bastidores, líderes e o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), negociam uma saída para que a medida provisória seja colocada em votação. 

A correção automática do auxílio seria, em outras palavras, a indexação do benefício. A vantagem é evitar que os beneficiários do programa percam o poder de compra com a inflação, como aconteceu com os beneficiários do Bolsa Família. O lado negativo, no entanto, é o engessamento das contas públicas e a pouca margem no Orçamento Federal para investimentos. 

Desde o início da sua gestão, o ministro da Economia Paulo Guedes defende justamente o contrário: desindexar. O ministro sempre defendeu o que chamava de os 3Ds do Orçamento: desobrigar, desvincular e desindexar, ou seja, deixar o dinheiro mais livre para alocações. 

Veja Também


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895