Bolsonaro critica imprensa e diz que mídia age de má fé distorcendo suas palavras
capa

Bolsonaro critica imprensa e diz que mídia age de má fé distorcendo suas palavras

Presidente disse que veículos de comunicação "morrem de saudades do PT"

Por
Correio do Povo e AE

"Não adianta a imprensa me pintar como seu inimigo", afirmou o presidente

publicidade

O presidente Jair Bolsonaro usou sua conta no Twitter neste sábado para mais uma vez criticar a imprensa após a repercussão negativa de comentários que na sexta, durante café da manhã com correspondentes estrangeiros. Ele depreciou governadores do Nordeste, em especial o do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), além de ter questionado dados fornecidos pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) sobre as taxas de desmatamento da Amazônia. Em uma série de mensagens na rede social, o chefe de Estado afirma que jornalistas orquestram para alterar suas falas.

"Não adianta a imprensa me pintar como seu inimigo. Nenhum presidente recebeu tanto jornalista no Planalto quanto eu, mesmo que só tenham usado dessa boa vontade para distorcer minhas palavras, mudar e agir de má fé ao invés de reproduzir a realidade dos fatos", diz um dos posts. Bolsonaro, então, continua e faz críticas ao Partido dos Trabalhadores (PT): "Sempre defendi liberdade de imprensa, mesmo consciente do papel político-ideológico atual de sua maior parte, contrário aos interesses dos brasileiros, que contamina a informação e gera desinformação. No fundo, morrem de saudades do PT".

Criticado por algumas pessoas na plataforma sobre a necessidade de falar no partido de esquerda, ele respondeu: "vou falar do PT sempre. Não adianta chorar. Não é porque perderam a eleição que seus crimes devem ser ignorados. Os efeitos devastadores do desgoverno da quadrilha ainda podem ser sentidos e é papel de todo aquele que que ama o Brasil lembrar quem foram os culpados".

Carlos Bolsonaro também se junta às críticas

Um dos filhos do presidente, Carlos Bolsonaro, usou a mesma plataforma."Sempre somos dominados pelas narrativas desonestas da “mídia”. Se quisermos avançar devemos aprender com erros, não disse roubos, e fundamentalmente mostrar e cobrar coisas que realmente interessam ao Brasil. Há muitos feitos e muitos outros virão. Ou focamos ou nada aprendemos!"

Declarações desagradam militares

As declarações do presidente têm gerado muitas reações até mesmo de militares. O general da reserva, Luiz Rocha Paiva, integrante da Comissão da Anistia, disse que o comentário é "antipatriótico" e "incoerente". Eles também afirmam aguardar esclarecimentos por parte da presidência da República. Ontem, o Palácio do Planalto e a Casa Civil não quiseram comentar a conversa, nem esclarecer o contexto do que foi tratado. 

No mesmo café com a imprensa estrangeira, Bolsonaro afirmou que é uma "grande mentira" que existam pessoas passando fome no Brasil. "Falar que se passa fome no Brasil é uma grande mentira. Passa-se mal, não come bem. Aí eu concordo. Agora, passar fome, não", disse Bolsonaro, que, mais tarde, recuou e afirmou que "alguns passam fome".