Bolsonaro defende autotestes para interromper transmissão da Covid-19

Bolsonaro defende autotestes para interromper transmissão da Covid-19

Pelas redes sociais, o presidente falou do "Plano Nacional de Expansão da Testagem" e disse ter enviado informações à Anvisa

R7

Bolsonaro encaminhou à Anvisa informações para solicitar autorização de autotestes no Brasil

publicidade

O presidente Jair Bolsonaro usou as redes sociais, neste domingo, para defender a implementação dos autotestes para detectar a Covid-19 no Brasil. "O uso do autoteste pode garantir o início mais rápido das ações para interromper a cadeia de transmissão", escreveu, depois de anunciar ter encaminhado à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informações sobre a medida no âmbito do que chamou do "Plano Nacional de Expansão da Testagem". 

Segundo o presidente, o governo federal pretende possibilitar que os exames sejam disponibilizados em farmácias, drogarias e outros estabelecimentos de saúde para que os cidadão interessados em comprar o produto tenham acesso e consigam realizar o diagnóstico em casa. Atualmente, a detecção da Covid-19 precisa ser feita em ambiente controlado, como em unidades de saúde básicas, postos volantes, farmácias, clínicas, laboratórios e hospitais. 

Para que a autotestagem seja liberada para o cidadão comum, é necessária a autorização da Anvisa. As conversas entre a reguladora e o Ministério da Saúde se intensificaram na última semana, quando a pasta encaminhou uma nota técnica formalizando o pedido. A solicitação oficial ocorre após a busca por exames ter disparado diante da disseminação da variante ômicron.

"A autotestagem é uma estratégia adicional para prevenir e interromper a cadeia de transmissão da Covid-19, juntamente com a vacinação, o uso de máscara e o distanciamento social. Os autotestes podem ser realizados em casa ou em qualquer lugar, são fáceis de usar e produzem resultados rápidos", diz a nota.

Veja Também

A demanda também parte de prefeitos e gestores de saúde locais, que defendem a medida como estratégia para agilizar o diagnóstico e contribuir para a testagem em massa. A Anvisa, por outro lado, alerta para a necessidade da elaboração de uma política pública de saúde a fim de viabilizar a implementação da autotestagem no país. 

Segundo a agência, o governo federal precisa viabilizar as informações para que o usuário leigo consiga administrar o exame.  Além disso, os sistemas de saúde devem estar preparados para receber os resultados positivos vindos dos usuários e assegurar a notificação compulsória, já que a Covid-19 é uma doença que exige a inserção de dados no sistema nacional, a fim de permitir as ações de controle da disseminação do vírus.

A autotestagem já é permitida em países europeus e nos Estados Unidos e, no Brasil, serviria como uma medida para diminuir a pressão sobre as unidades de saúde, como defendeu o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. Por outro lado, não há previsão de que os testes sejam distribuídos nas farmácias de graça. 


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895