Bolsonaro diz que deve vetar fundo de R$ 2 bilhões
capa

Bolsonaro diz que deve vetar fundo de R$ 2 bilhões

Se aprovada pelo executivo, recurso já será aplicado em campanhas de 2020

Por
AE

Negociação sobre tema desgasta articulação política do Planalto

publicidade

O presidente Jair Bolsonaro confirmou nesta quinta-feira que deseja vetar distribuição de R$ 2 bilhões do fundo eleitoral para campanhas políticas em 2020, proposta enviada pelo próprio Executivo e aprovada no Congresso Nacional.

"Tendência é vetar sim", disse Bolsonaro em frente ao Palácio da Alvorada. A medida já havia sido indicada pelo presidente na quarta-feira quando provocou seus apoiadores a dizerem se ele deveria vetar ou não o valor. Na ocasião, o presidente ouviu um sonoro apoio a impedir uso de recursos públicos na disputa municipal do próximo ano.

"O dinheiro vai para quem? Manter no poder quem já está. Dificilmente vai para um jovem candidato", declarou o presidente nesta quinta. "Não é maldade minha contra o Parlamento. Eu respeito o Parlamento. Fiquei 28 anos lá dentro", afirmou. O presidente disse que só enviou a proposta de fundo de R$ 2 bilhões ao Congresso, que agora ele deseja vetar, para seguir a legislação. "Agora, a peça Orçamentária chegando, eu tenho poder de veto", justificou.

A negociação sobre o fundo eleitoral desgastou a articulação política do Planalto. O Congresso Nacional chegou a articular aumento para R$ 3,8 bilhões do fundo, ouviu do governo que até R$ 2,5 bilhões seriam aceitos, mas recuou e aprovou a proposta original, de R$ 2 bilhões. Na quarta, o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE), disse esperar que Bolsonaro sancione o valor.

O presidente Bolsonaro disse que defende "zero reais" de dinheiro público para campanhas eleitorais. "Já vejo pessoal dizendo que quem vai ter campanha cara, não vai votar nele", disse.