Bolsonaro diz que Moro mentiu e nega troca de superintendente

Bolsonaro diz que Moro mentiu e nega troca de superintendente

No Twitter, presidente posta vídeo da PF de SP e diz que, para ele, “policiais bons estão em todo o Brasil e não apenas em Curitiba”

R7

Bolsonaro diz que Moro mentiu e negou que tenha feito trocas na superintendente: "Todos foram indicados pelo próprio ministro ou diretor geral"

publicidade

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) publicou em suas redes sociais, no início da tarde deste domingo, uma mensagem na qual diz que, para ele, "os bons policiais estão em todo o Brasil e não apenas em Curitiba, onde trabalhava o então juiz." A mensagem faz referência às acusações de Sergio Moro de que o presidente tinha intenções de fazer interferências políticas na Polícia Federal.

Em sua página do Twitter, Bolsonaro escreveu também que "lamentavelmente o ex-ministro mentiu sobre interferência na PF." E continuou: "nenhum superintendente foi trocado por mim. Todos foram indicados pelo próprio ministro ou diretor geral."

Acompanhado da mensagem, Bolsonaro publicou o vídeo com a declaração da presidente do sindicado dos policiais federais em São Paulo, Susanna Val Moore, em que comenta a autonomia da Polícia Federal.

"Diante dos acontecimentos que geraram instabilidade, fica o questionamento do que vai acontecer daqui para a frente com as investigações e operações? Temos observado que, nos ultimos 20 anos, a PF tem exercido um protagonismo contra a corrupção, suas atribuições de forma independente."

Val Moore afirma que a autonomia da PF é decorrente estrutura do orgão e da qualidade dos agentes. "A PF é submetida ao controle externo do Ministério Público Federal e os principais atos e investigações necessitam, obrigatoriamente, de ordem judicial. Percebemos que já existe uma autonomia e que a PF vai continuar atuando de forma independente sem interferência."

No discurso em que anunciou sua demissão do Ministério da Justiça Moro afirmou que não aceitou interferência política na PF. O delegado Maurício Valeixo foi exonerado do cargo e Moro afirmou que não assinou o documento da exoneração, além de ter sido surpreendido com a publicação no Diário Oficial da União.

Valeixo teria pedido para deixar o cargo no início do ano, após pressões para troca do superintendente da PF no Rio de Janeiro, base eleitoral de Bolsonaro, mas foi surpreendido pela exoneração que, segundo Moro, ocorreu sem seu conhecimento.


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895