Bolsonaro encaminhará indicação quando Eduardo sentir que será aprovado
capa

Bolsonaro encaminhará indicação quando Eduardo sentir que será aprovado

Filho do presidente está visitando gabinetes de senadores

Por
AE

Eduardo Bolsonaro realiza visitas a senadores que devem sabatiná-lo

publicidade

O presidente Jair Bolsonaro afirmou que vai encaminhar a indicação do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) para a embaixada brasileira em Washington quando o filho, que está visitando gabinetes de senadores, avaliar que seu nome tem condição de ser aprovado na no Senado. Para ser oficializada, a indicação precisa ter o aval da Casa. "Essa pergunta tem que ser feita a ele. Ele está andando no Senado, ele que vai sentir o momento para encaminhar", disse o presidente ao deixar o Palácio da Alvorada. 

Bolsonaro foi perguntado sobre quando encaminhará ao Senado a mensagem presidencial com o nome do filho para a embaixada e, em seguida, confirmou que vai oficializar a indicação quando Eduardo avaliar que seu nome será aprovado.

O chefe de Estado afirmou ainda que deve oficializar a decisão de transferir o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) do Ministério da Economia para o Banco Central nesta semana ou na semana que vem. Ele disse que, se a mudança for feita por medida provisória, ele assinaria imediatamente. "A gente vai passar para o Banco Central, que evita qualquer especulação política em cima desse órgão", declarou o presidente ao deixar o Palácio da Alvorada. 

Para Bolsonaro, a transferência passa pela Câmara dos Deputados. No caso de medida provisória, a decisão passa a ser válida assim que publicada, mas ainda precisa de aval do Congresso. 

Substituição na Polícia Federal 

Bolsonaro anunciou que vai substituir o superintendente da Polícia Federal no Rio de Janeiro, Ricardo Saadi. Na saída do Palácio da Alvorada, o presidente justificou a decisão por "questões de produtividade" e um "sentimento" para evitar problemas. A declaração foi dada enquanto Bolsonaro respondia a uma pergunta sobre modificações na Receita Federal. "Todos os ministérios são passíveis de mudança. Eu vou mudar, por exemplo, o superintendente da Polícia Federal no Rio de Janeiro. Motivo: é questão de produtividade", afirmou o presidente. 

Ao ser perguntado se há problemas na superintendência, Bolsonaro respondeu que tem problemas "em todas as áreas" no Brasil. "Eu não quero esperar acontecer o problema para encontrar uma solução", declarou. "Nome (de substituto) eu ainda não tenho. Não vou entrar em detalhes. É sentimento. Eu tenho que aprofundar, eu tenho que resolver os problemas do Brasil todo." 

O presidente afirmou ainda que, em relação a qualquer cargo na administração, "se tiver que mudar, a gente muda". "O único que levou facada e ralou quatro anos para chegar aqui fui eu. Ponto final. O povo confiou em mim o destino da nação. Eu tenho que decidir", argumentou. Ele assegurou que, no momento, o secretário da Receita Federal, Marcos Cintra, continua no cargo. "O Cintra, por enquanto, está muito bem", disse o presidente quando questionado se o secretário sairia da função.