Bolsonaro pede a caminhoneiros que desmobilizem bloqueios em estradas

Bolsonaro pede a caminhoneiros que desmobilizem bloqueios em estradas

Presidente divulgou mensagem para que categoria "não pare o Brasil"

Correio do Povo

Presidente divulgou áudio para grupos de apoiadores e da categoria do transporte

publicidade

O presidente, Jair Bolsonaro, divulgou mensagem a apoiadores, nesta quarta-feira, em que pede para que os caminhoneiros interrompam os bloqueios de estradas no Brasil. O ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, também publicou vídeo para confirmar a veracidade do áudio do presidente e enfatizar que uma paralisação prejudicará a economia do país.

"Vou ter que apelar para que não parem o Brasil, sei do poder que eles têm, reconheço o trabalho que eles fazem, mas acredito que a paralisação não interessa a nenhum de nós", relatou Bolsonaro. "Agradeço por tudo o que eles (caminhoneiros) têm feito. Não é a gente matando a vaca que vai eliminar o carrapato", acrescentou o presidente.

Após as falas do presidente no feriado de 7 de setembro, rodovias em vários Estados foram interrompidas. No momento, pelo menos 16 unidades da federação tem interrupções totais ou parciais em trechos de rodovias, inclusive o Rio Grande do Sul.

Grupos de caminhoneiros realizaram, nesta quarta-feira, manifestações em rodovias gaúchas em apoio ao governo. Na região da Serra, no km 64 da RS 122, no acesso ao bairro Forqueta, em Caxias do Sul, houve interrupção do trânsito por alguns momentos. Caminhões que passavam pelo local ficam retidos, causando lentidão no trânsito. Já carros e motos eram liberados para seguir viagem.

Outro ponto de manifestação na Serra foi no km 97 da RS 122, em Flores da Cunha. No local o trânsito de caminhões foi interrompido. Agrupamento de caminhoneiros também foi registrado no km 153 da Rota do Sol, no acesso a São Braz, em Caxias do Sul, mas sem a proibição da circulação de caminhões. Na BR 285, km 156, em Muitos Capões, também houve bloqueio do trânsito durante a tarde desta quarta-feira.

Veja Também


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895