Braga Netto é "homem cotado para qualquer coisa" no governo, afirma Bolsonaro
capa

Braga Netto é "homem cotado para qualquer coisa" no governo, afirma Bolsonaro

Presidente não comentou convite para que general assuma Casa Civil ou mudanças ministeriais

Por
AE

General ganhou projeção ao ser nomeado interventor federal em 2018 no Rio


publicidade

O presidente Jair Bolsonaro elogiou o general Walter Braga Netto e disse que ele é "cotado para qualquer coisa" no governo. Bolsonaro não respondeu perguntas sobre o convite feito ao general para assumir a Casa Civil no lugar de Onyx Lorenzoni, nem a eventual saída de Osmar Terra do Ministério da Cidadania.

"O Braga Netto eu conheço há algum tempo, me dou muito bem com ele, ganhou uma projeção muito grande em uma situação complicadíssima daquela intervenção da segurança do Rio de Janeiro, está certo? É um homem cotado para qualquer coisa", disse o presidente à imprensa na saída do Palácio da Alvorada.

Bolsonaro insistiu que as eventuais mudanças nos ministérios ainda não foram formalizadas. "Saiu alguma coisa no Diário Oficial da União?", reagiu em diversas ocasiões.

Indagado sobre o que conversou na quarta-feira com Osmar Terra no Palácio do Planalto, o presidente respondeu que foi sobre "amor". "Me dou muito bem com ele, sem problema nenhum. Tem um bom trabalho", disse Bolsonaro. De acordo com fontes do Planalto, o ministro já foi comunicado pelo presidente que deixará a pasta. Com a entrada de Braga Netto, a ideia é que Onyx seja transferido para a Cidadania no lugar de Terra.

Dólar alto e as empregadas na Disney 

Após alta recorde do dólar, Bolsonaro avaliou que o preço da moeda está "um pouquinho alto". Ele não quis comentar a declaração polêmica do ministro da Economia, Paulo Guedes, de que o dólar mais baixo permitia a empregadas irem à Disney e virou "uma festa danada". "Pergunta para quem falou isso. Eu respondo pelos meus atos", disse ao ser questionado sobre a fala de Guedes por jornalistas na saída do Palácio da Alvorada. "Respondo pelos meus atos", insistiu diante de novos questionamentos sobre o que achou da declaração.

Bolsonaro disse que costuma conversar com o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, para saber o motivo da alta do dólar, mas que não interfere diretamente nas decisões da área econômica. O presidente considera que o valor de R$ 4,35 do dólar, que marcou a quarta alta consecutiva, está "um pouquinho alto".


Nessa quarta-feira, Guedes defendeu o atual patamar da taxa de câmbio e afirmou que "não tem negócio de câmbio a R$ 1,80", o que estaria desincentivando até mesmo o turismo interno. "Todo mundo indo pra Disneylândia. Empregada doméstica indo pra Disneylândia. Uma festa danada. Peraí. Vai passear ali em Foz de Iguaçu, vai passear ali no Nordeste, cheio de praia bonita. Vai pra Cachoeiro de Itapemirim, vai conhecer onde o Roberto Carlos nasceu. Vai passear no Brasil, vai conhecer o Brasil, que tá cheio de coisa bonita pra ver", afirmou Guedes em palestra no evento realizado em Brasília no final da tarde de ontem.