"Campanha contra Lava Jato beira o ridículo", diz Moro

"Campanha contra Lava Jato beira o ridículo", diz Moro

Ministro relacionou crítica com a série de reportagens do site The Intercept

R7

Moro diz não reconhecer autenticidade das mensagens publicadas pelo The Intercept

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, afirmou nesta terça-feira em seu Twitter que a campanha contra a Lava Jato "beira o ridículo". A publicação do integrante do governo faz referência a série de reportagens publicadas pelo site The Intercept Brasil, que está divulgando supostas mensagens de Moro com procuradores da operação. No post, ele diz que defende a liberdade de imprensa, mas que "convém um pouco de reflexão para não se desmoralizarem".

O último vazamento foi feito nesta terça, pela colunista da Folha de S.Paulo Mônica Bergamo. Segundo a publicação, procurador Deltan Dallagnol teria pedido passagem e hospedagem no parque aquático Beach Park, em Fortaleza (CE), para ele, a mulher e os dois filhos, em troca de dar uma palestra sobre combate à corrupção na Federação das Indústrias do Ceará (Fiec), em julho de 2017. As mensagens mostram ainda que Dallagnol teria, também, cobrado cachê de cerca de R$ 30 mil pela participação no evento. 

• PGR convoca reunião para discutir posição sobre mensagens com força-tarefa da Lava Jato

Nessa segunda-feira, o blogueiro Reinaldo Azevedo publicou que Dallagnol teria pedido a Moro a liberação de R$ 38 mil para um vídeo contra a corrupção, pelas dez medidas propostas pelo governo. O dinheiro sairia dos cofres da 13º Vara Federal de Curitiba. Segundo a troca de mensagens, Moro teria dito que se a quantia fosse esta, achava que seria possível. 

O primeiro vazamento aconteceu no dia 9 de junho deste ano. Moro foi à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados e do Senado prestar esclarecimentos sobre o assunto. O ministro afirma que não reconhece a autenticidade dos diálogos. 

O presidente Jair Bolsonaro se manifestou no dia 19 de junho de junho  afirmou que Moro é "patrimônio nacional". Bolsonaro também colocou em dúvida os conteúdos divulgados, dizendo que "ninguém tem certeza da fidelidade do que está publicado". 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895