Carla Zambelli nega que soube antecipadamente de operação da PF contra Witzel

Carla Zambelli nega que soube antecipadamente de operação da PF contra Witzel

Suspeita envolvendo aliada de presidente surgiu depois de declarações dela em rádio

Por
AE

Deputada aliada de Bolsonaro nega que tenha recebido informação privilegiada


publicidade

A deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP) negou nesta terça-feira, em entrevista à CNN Brasil, que tenha sabido antecipadamente da operação Placebo, deflagrada nesta manhã em endereços do governador do Rio, Wilson Witzel (PSC).

A suspeita de que a aliada do presidente Jair Bolsonaro tivesse acesso a informações privilegiadas foi amplamente repercutida por parlamentares devido à declaração de Carla à Rádio Gaúcha, na segunda-feira, sobre como a PF estava investigando irregularidades cometidas por governadores durante a pandemia e faria operações "nos próximos meses".

"Eu não sou uma pessoa burra. Se eu tivesse informação privilegiada, eu falaria isso publicamente?", questionou a deputada na entrevista à CNN. Na mesma linha, apontou, em tom de indagação: "se há algum tipo de interferência (de Bolsonaro na operação de hoje), o presidente também está agindo em cima do STJ?"

Ainda segundo Carla Zambelli, a deflagração da operação Placebo menos de 24h depois das suas declarações foi "uma feliz coincidência" que ela espera que se repita em outros estados.