Comissão rejeita destaque do PSol que estendia gratificação a todos militares
capa

Comissão rejeita destaque do PSol que estendia gratificação a todos militares

Glauber Braga vai apresentar um requerimento para que projeto seja votado no plenário da Câmara

Por
AE

Glauber Braga vai apresentar um requerimento para que projeto seja votado no plenário da Câmara

publicidade

A Comissão Especial que analisa a reforma da Previdência dos militares rejeitou, no período da tarde desta terça-feira, um destaque apresentado pelo PSol que estendia o aumento de gratificação a todos os militares e acabava com a diferenciação por cursos e qualificações. Esse foi o ponto que gerou maior polêmica já que o texto base, aprovado na semana passada, prevê reajuste de até 73% do adicional de habilitação para militares de altas patentes, como generais, e de 12% para militares de patente mais baixa.

O deputado Glauber Braga (PSol-RJ) disse que apresentará um requerimento para que o projeto seja votado no plenário da Câmara dos Deputados. A votação na comissão é terminativa, ou seja, o projeto seguirá direto para o Senado a não ser que seja apresentado um requerimento com 51 assinaturas pedindo a análise em plenário.

A rejeição causou comoção entre representantes de associações de praças que acompanharam a votação. A sessão chegou a ser suspensa em meio a muita gritaria. Militares da reserva e mulheres de militares que estavam mais exaltados foram retirados do plenário por seguranças. Uma das mais revoltadas era a presidente da Associação Bancada Militar de Minas Gerais, Kelma Costa, que foi candidata a deputada federal por Minas Gerais em 2018 pelo PSL. "Eu fiz campanha por você, presidente Jair Bolsonaro, você me conhece, estou decepcionada com o senhor. Estou revoltada com esse projeto que só beneficia generais", afirmou.

A discussão do projeto também gerou discussão entre parlamentares do dividido PSL, contrapondo, mais uma vez, o líder do governo Major Vitor Hugo (GO) e o ex-líder do PSL Delegado Waldir (GO). "Quem será a hiena da Marinha, Exército e Aeronáutica? Vamos aguardar e veremos", disse Waldir, em referência ao vídeo publicado na conta do Twitter de Jair Bolsonaro, na segunda-feira, já apagado, em que hienas representando o PSL, o STF e outros cercavam um leão que representava o presidente.

Vitor Hugo disse que houve preocupação do governo em não só fazer um reajuste, mas de reestruturar as carreiras. "Não é verdade que entraremos em quartéis com algum tipo de receio. Tenho mensagens de praças ansiosos por essa aprovação e parabenizando o governo", afirmou.

No twitter, o PSol divulgou, nesta tarde, um vídeo que mostra esposas de militares protestando a não aprovação do destaque. Na publicação, a legenda também garantiu que vai recorrer ao plenário para barrar "a injustiça" com a base dos miliares. 

Com rejeição do destaque do PSol, ficou prejudicado um segundo destaque apresentado pelo DEM com o mesmo teor. O Solidariedade retirou um destaque semelhante que havia sido apresentado pelo partido. O relator do projeto da Previdência dos militares, deputado Vinícius Carvalho (Republicanos-RJ), disse que a proposta de estender um aumento de gratificação a todos os militares custaria R$ 130 bilhões em dez anos aos cofres públicos. O governo pretende economizar R$ 10,4 bilhões em uma década com a reforma e a reestruturação das carreiras previstas no projeto.