Como votaram os senadores no relatório final da CPI da Covid-19

Como votaram os senadores no relatório final da CPI da Covid-19

Luis Carlos Heinze e mais três votaram pela rejeição do texto

Correio do Povo e R7

Senad Federal aprovou relatório da CPI da Covid-19

publicidade

A votação do relatório final da CPI da Covid-19 ocorreu na noite desta terça-feira. Por 7 votos a 4, o texto foi aprovado pelo Senado Federal e agora segue para a Procuradoria Geral da República para avaliação do indiciamento de Bolsonaro e outros 79.

Votaram pela aprovação do relatório os senadores Eduardo Braga, Renan Calheiros, Tasso Jereissati, Otto Alencar, Humberto Costa, Randolfe Rodrigues e Omar Aziz. Já o "não" teve votos de Luis Carlos Heinze, Eduardo Girão, Marcos Rogério e Jorginho Mello.

O senador Luis Carlos Heinze (PP-RS), que foi um dos quatro votos contrários, chegou a ser considerado como indiciado. No entanto, por conta da pressão dos senadores, o nome do gaúcho acabou retirado. 

 A última versão do documento tem 1.289 páginas e 80 pedidos de indiciamento, sendo 78 pessoas e duas empresas. O relatório foi elaborado por Renan Calheiros (MDB-AL) e sofreu alterações desde a semana passada, quando o senador fez a leitura.

Entre os principais indiciados, estão o presidente Jair Messias Bolsonaro, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, o ex-ministro da pasta Eduardo Pazuello e o ministro do Trabalho e Previdência, Onyx Lorenzoni. O único governador na lista de sugestões de indiciamentos é Wilson Lima (PSC), do Amazonas, incluído nesta terça, logo no início da sessão.

Os próximos passos 

Nesta quarta-feira, às 10h30min, o relatório será entregue por membros da Comissão Parlamentar de Inquérito. Caberá então ao procurador-geral da República, Augusto Aras, tomar as medidas cabíveis e dar andamento para os próximos passos. 

Caso Augusto Aras e o Ministério Público não se posicionem, Randolfe Rodrigues informou que será proposta uma ação penal subsidiária na Justiça. Assim, será dado prosseguimento para a conclusão dos trabalhos iniciados pela CPI. 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895