Corsan: Processo sobre venda é suspenso na 1ª Câmara do TCE-RS

Corsan: Processo sobre venda é suspenso na 1ª Câmara do TCE-RS

Relatora do caso votou por suspender leilão da companhia. Conselheiro Renato Azeredo pediu vista.

Felipe Nabinger

Leilão da Corsan está previsto para dia 20 de dezembro

publicidade

Após mais de quatro horas de sessão, a 1ª Câmara do Tribunal de Contas do Estado (TCE-RS) suspendeu a votação do processo de contas especiais da privatização da Corsan por conta de um pedido de vistas do conselheiro Renato Azeredo. A relatora, conselheira-substituta Ana Cristina Moraes, pontou inconsistências na elaboração dos estudos que estabeleceram o preço de venda da Corsan, entendendo haver subavaliação, entre outras irregularidades. 

Ao analisar o segundo processo da pauta, o da tutela de urgência, que faz com que matéria anterior corra em sigilo, a relatora suspendeu o julgamento. A justificativa é analisar termo do regimento interno evocado pelo advogado do consórcio Aegea, que assim como a Procuradoria Geral do Estado, defende que a competência para manter ou retirar o sigilo é do pleno.

Ana Cristina defendeu a anulação do leilão, devendo ser repetido somente após a correção dos valores, além de outras medidas que envolvem políticas de saneamento básico e esgotamento. O presidente da câmara, conselheiro Estilac Xavier, acompanhou o voto da relatora.

Sintetizando o relatório de mais de 370 páginas em 1h20min, dizendo ter condensado 10% do voto, a conselheira disse não entrar no mérito político da decisão do Executivo endossada pelo Legislativo pela privatização, mas que a ação precisa respeitar as regras. Ela ressaltou que a “sociedade é a maior interessada no desfecho do presente processo”. 

Segundo Ana Cristina, as empresas de consultoria erraram nas projeções de EBITDA, indicador usado para avaliar saúde financeira de empresas, e de lucro líquido da Corsan, mas houve tempo hábil para atualização no edital do leilão, o que não foi feito. A conselheira chamou de “atropelos” as decisões jurídicas que permitiram a assinatura do contrato no dia 7 de junho.

O conselheiro Estilac Xavier, que preside a 1ª Câmara, elogiou o voto da conselheira Ana Cristina, a quem chamou de “competente e isenta”, dos demais conselheiros que se debruçaram sobre o processo, o trabalho do Ministério Público de Contas e da área técnica do Tribunal. Ele ressaltou que a decisão do presidente Alexandre Postal foi “equivocada e ilegal” ao derrubar cautelares, mas que esse assunto está superada pois houve a assinatura do contrato. 

Pedido de vista

Para o conselheiro Renato Azeredo, a complexidade da matéria deveria ocorrer no pleno. Ele disse não recordar de uma pauta dessa relevância apreciada em uma câmara e pediu vista do processo, alegando que o voto foi publicado no sistema corporativo na noite do último dia 10, não havendo tempo hábil para a interação total da matéria devido a pautas do pleno e a análise das contas do governador. 

Ana Cristina rebateu afirmando que matéria de envergadura tão grande, que era a das fundações estaduais, fez o caminho inverso, sendo encaminhado do pleno para a câmara, defendendo a competência para o julgamento. Estilac disse achar “natural” o pedido de vista, embora tenha reforçado que todos os conselheiros dispõem de diversas matérias e contam com equipes para avaliação dos processos, antes de externar seu voto. 

Sindicatos se manifestaram

Advogados do Sindicato dos Engenheiros (Senge-RS), do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras das Indústrias de Purificação e Distribuição de Água e Serviços de Esgoto do RS (Sindiágua-RS) e dos deputados Jeferson Fernandes, Miguel Rossetto e Zé Nunes, da bancada do PT na Assembleia Legislativa, realizaram sustentação oral, apontando o que entendem ser irregularidades no processo de licitação. A principal questão fazia referência ao preço da venda por R$ 4,151 bilhões, 1,15% acima do lance mínimo fixado pelo governo, e a definição do valor através de consultorias sem licitação.

“Estamos tratando exatamente da utilização consciente e deliberada de fórmulas, critérios e cálculos matemáticos e financeiros, cuidadosamente escolhidos por empresas especializadas para reduzir o preço e avaliação da Corsan”, disse o advogado do Sindiágua-RS, Antônio Castro, que definiu o valor da venda como “preço de banana”, pedindo a anulação da privatização por “preço vil”. Os sindicatos defendem que o valor da autarquia ficaria, por conta de cálculos próprios, próximo de R$ 7 bilhões.

PGE vê valuation chancelado

Representante da Procuradoria-Geral do Estado, procurador-geral adjunto para Assuntos Jurídicos, Vitor Herzer da Silva, rebateu a posição dos sindicatos. “O valuation e a consequente definição do preço mínimo foram fixados depois de um trabalho de meses das consultorias especializadas. Ao final desse período, tanto a consultoria do Banco Genial, quanto a da Finenge, chegaram a números muito próximos uma da outra”. Herzer destacou que o acompanhamento do TCE não encontrou óbices ao processo de privatização, chancelando o valuation no entendimento do governo.

O procurador-geral do Ministério Público do RS (MPC-RS), Geraldo da Camino, afirmou que o MP não tem lado, pois o “lado do MP é a lei” e reforçou que o principal argumento é acerca da cobertura de esgoto, na qual os valores de investimento impactam na composição do preço da empresa. “Dizer que inexiste uma ligação linear é diferente de dizer que não há relação”, afirmou, referindo-se a argumento do governo. Conforme ele, a auditoria não respondeu a contento e que não há segurança jurídica para assegurar os moldes do negócio. 

Pedido para pleno negado

Antes do julgamento do mérito do processo que envolve a privatização da Corsan, a sessão da 1ª Câmara do TCE-RS apreciou uma questão de ordem, que pedia que a câmara declarasse não ter competência para o julgamento, o que transferiria a análise para o pleno do Tribunal, pedida pelo advogado do consórcio Aegea, Rafael da Cás Maffini, defendida pelo representante da PGE.

Presidente da câmara, conselheiro Estilac Xavier indeferiu o pedido, seguindo entendimento da conselheira-substituta Ana Cristina Moraes e o procurador-geral do Ministério Público do Contas do Estado, Geraldo da Camino. O conselheiro Renato Azeredo foi vencido no entendimento que a questão deveria ser acatada.

Maffini pediu nova questão de ordem neste sentido após a conselheira Ana Cristina proferir seu voto, buscando levar a discussão para o plenário. A solicitação foi igualmente indeferida. 


Mais Lidas

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895