capa

Dúvidas levam a novo adiamento da PEC da venda de estatais

Nova rodada de esclarecimentos ocorrerá na próxima segunda-feira

Por
Luiz Sérgio Dibe

Secretário-chefe da Casa Civil, Otomar Vivian, e o líder do governo no Parlamento, deputado Frederico Antunes (PP), explicaram os planos do governo aos líderes das bancadas aliadas

publicidade

O governo do Estado decidiu adiar por mais alguns dias a remessa, à Assembleia, dos projetos sobre pedidos de privatização das estatais Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE), Sulgás e Companhia Riograndense de Mineração (CRM). Nesta segunda-feira, em reunião na qual o secretário-chefe da Casa Civil, Otomar Vivian (PP), e o líder do governo no Parlamento, deputado Frederico Antunes (PP), explicaram os planos do governador Eduardo Leite (PSDB) aos líderes das bancadas aliadas, os deputados deixaram o Piratini com a garantia de mais uma rodada de esclarecimentos. O novo encontro ocorrerá na próxima segunda-feira. “No mesmo horário e no mesmo local, mais uma rodada sobre o mesmo assunto”, comentou, na saída, o líder da bancada do PTB, deputado Aloísio Classmann.

A maioria dos deputados presentes se retirou do encontro de forma discreta. Foram mais de duas horas de reunião. Contudo, a economia nas palavras e a cautela sobre eventuais declarações deram o tom da despedida. “Reunião estava boa, como todas”, definiu o vice-líder da bancada do MDB, Carlos Búrigo.

Após a saída de todos os convidados, Otomar Vivian confirmou que o governo tentará responder aos questionamentos e encaminhar a “redação final” dos projetos, a partir das discussões da próxima segunda-feira. “O governo está atendendo aos pedidos de informação dos aliados para que todos possam votar favoravelmente quando estiverem convictos”, indicou o chefe da Casa Civil.

Vivian sustentou que o plano é levar os projetos ao plenário antes do recesso parlamentar, que se inicia em 15 de julho. As privatizações integram o plano de adesão ao Regime de Recuperação Fiscal da União, pelo governo do Estado. Este é o segundo adiamento de protocolo dos projetos de privatização. Eduardo Leite planejava enviá-los depois da promulgação, que ocorreu em 8 de maio. Porém, pressão da base tem retardado a remessa, desde que deputados têm expressado publicamente que falta clareza sobre os projetos.