"Decisão judicial não se comenta, se cumpre", diz Mourão sobre Barroso

"Decisão judicial não se comenta, se cumpre", diz Mourão sobre Barroso

Vice-presidente evitou discutir determinação do ministro do STF sobre exigência de passaporte de vacina para entrada no Brasil

R7

"Decisão judicial não se comenta, se cumpre", diz Mourão sobre Barroso

publicidade

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, evitou comentar a decisão do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Luís Roberto Barroso sobre a exigência de passaporte de vacina para entrada no Brasil que entrou em vigor no último sábado (11). "Decisão judicial não se comenta, se cumpre", afirmou Mourão, na manhã desta segunda-feira (13). "Essa discussão não cabe e não traz benefício nenhum, só gera atrito. E atrito só gera desgate", disse o vice-presidente sobre decisão de Barroso. 

Questionado sobre a disputa de ministros por uma vaga no TCU (Tribunal de Contas da União) e a movimentação no Senado Federal, Mourão disse que todos os postulantes têm capacidade. "É uma decisão de dentro do parlamento", afirmou. 

Passaporte da vacina

O ministro Luís Roberto Barroso determinou a exigência de passaporte da vacina para a entrada no Brasil. A medida contraria definição do governo federal, que havia anunciado que viajantes que não apresentassem o documento poderiam ficar no país desde que passassem por quarentena de cinco dias.

Pela decisão do ministro do Supremo, o viajante só fica dispensado de apresentar o comprovante por motivos médicos caso venha de um país onde não há vacina disponível ou por razão humanitária excepcional. A decisão de Barroso vale a partir do momento em que os órgãos envolvidos forem notificados. A comunicação oficial deve sair do STF nesta segunda-feira (13).

O governo federal havia definido que a exigência do comprovante de vacinação passaria a valer a partir do último sábado, mas adiou o prazo para o dia 18 de dezembro depois que o site Ministério da Saúde foi alvo de um ataque hacker durante a madugada da última sexta-feira (10).


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895