Declaração de Bolsonaro dificulta coordenação entre os estados, afirma Leite
capa

Declaração de Bolsonaro dificulta coordenação entre os estados, afirma Leite

Chefe do Executivo gaúcho destacou preocupação dos governadores após pronunciamento; reunião entre entre os 27 políticos acontece às 16h

Por
Correio do Povo

Pronunciamento foi transmitido por vídeo via redes sociais do Governo do Estado

publicidade

Após a primeira morte por coronavírus no Rio Grande do Sul, o governador Eduardo Leite atualizou os dados sobre a pandemia no Estado e voltou a reafirmar a necessidade do isolamento social como combate à Covid-19. Em seu pronunciamento, de cerca de 20 minutos por vídeo via redes sociais, o governador voltou a manifestar preocupação dos chefes dos Executivos estaduais do país com o pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro em rede nacional na noite desta terça-feira. 

Ao responder às perguntas, Leite disse que a fala do presidente Bolsonaro causou “grande preocupação” entre os governadores, por gerar confusão na população sem a apresentação de uma alternativa com base em dados científicos, algo que respalda o isolamento social conforme as recomendações da Organização Mundial da Saúde e demais órgãos nacionais e internacionais. “A manifestação dificulta a coordenação entre os Estados. Os ataques aos demais Poderes e à imprensa torna tudo mais complexo”, frisou. 

Leite destacou que, por mais que haja um grande esforço entre as lideranças municipais e estaduais, além de outros órgãos como o Ministério da Saúde, a “liderança é indelegável”, e ainda mais fundamental em momentos como esse. Ainda em sua fala, Leite garantiu que os governos estaduais não irão se afastar da missão de proteger a saúde e os empregos, tomando providências conjuntas para “reduzir o impacto” da crise do coronavírus no Rio Grande do Sul.

Às 16h, os governadores dos 27 estados se reúnem por videoconferência, sem a presença de Bolsonaro, para discutir alternativas em meio às decisões e pronunciamento do governo federal.  Na avaliação de Leite, a coordenação em nível federal está “comprometida” por conta da “pouca disposição” do presidente para tomar as medidas necessárias. “Vamos tomar conjuntamente as decisões e encaminhamentos”, frisou.

Atualização dos números e manutenção do isolamento

O governador Eduardo Leite também atualizou a situação do Rio Grande do Sul em meio à pandemia de Covid-19. O Estado registra 123 casos confirmados de coronavírus, e uma morte, registrada em Porto Alegre no início da madrugada desta terça-feira.

O governador destacou a importância da continuidade do isolamento social. Garantiu que, mesmo com a fala de Bolsonaro, o governo está respaldado pela decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) quanto à competência para estabelecimento dos decretos, e assegurou a manutenção das medidas. 

Leite anunciou o recebimento de uma verba de R$ 32 milhões do Ministério da Saúde para o governo do Estado. Ainda conforme Leite, esse valor será destinado aos municípios e será utilizado para a criação de clínicas, espaços de triagem e ampliação da estrutura de combate ao coronavírus nas cidades gaúchas. 

O governador afirmou que, com a primeira morte registrada no Estado, a pandemia entra em uma nova fase, mas assegurou que “todo o esforço continua” para garantir a saúde dos gaúchos. Destacou a criação de novos leitos para atender pacientes com coronavírus, e citou exemplos de Passo Fundo e de Porto Alegre, e garantiu que o governo segue trabalhando para criação de novos pontos de atendimento.

Análise de dados irá monitorar fluxo durante restrições 

O governador citou, ainda, a criação de um comitê de análise de dados para verificar a circulação e movimentação das pessoas durante a vigência dos decretos de restrição. Leite revelou conversas com a Vivo, uma das companhias de telefonia móvel atuantes no Estado, para pedir orientações quanto ao nível do fluxo de pessoas em circulação.

Ele garantiu que tudo será feito sem a violação da privacidade, com respeito às informações pessoais. “Será monitorado apenas o fluxo no território. Vamos acompanhar a evolução conforme as necessidades, para mais ou para menos, sem acesso a dados”, frisou.